Governo admite que vírus da aftosa ainda atinge MS

O Ministério da Agricultura admitiu que o vírus da aftosa continua circulando em três municípios do Mato Grosso do Sul: Eldorado, Mundo Novo e Japorã. Isso significa que o vírus não foi totalmente eliminado da área interditada em outubro de 2005, segundo o departamento de Saúde Animal. Mas segundo o departamento, as ações de controle mostram-se suficientes para impedir a difusão do agente viral."Como conseqüência destes resultados, os municípios permanecerão interditados devendo ser intensificadas as ações sanitárias com destaque para o reforço da vacinação dos bovinos com idade abaixo de 12 meses e para as ações de fiscalização e vigilância na região", informou em nota o diretor do departamento, Jamil Gomes de Souza. Até o momento, o diretor não conversou com a imprensa para dar mais detalhes sobre o resultado do estudo epidemiológico feito entre outubro de 2006 e janeiro de 2007. As análises foram feitas em animais vacinados em maio do ano passado e indicaram 2,7% de bovinos reagentes, porcentual que supera os índices normais de circulação viral nas zonas livres de aftosa, que é inferior a 1%.A maior concentração está no município de Japorã (4,9%), índice bem superior aos encontrados nos estudos de avaliação de circulação viral conduzidos nas zonas livres de febre aftosa do País.Sem novos focosSegundo o consultor e ex-secretário de Defesa Agropecuária, Ênio Marques, a permanência da aftosa nos três municípios do Estado não pode ser classificada como um novo foco da doença. De acordo com ele, a área em questão já está isolada e a atividade viral encontrada é apenas um sinal de que o vírus ainda encontra-se em circulação naquela região. "Este é um sinal de que este foco registrado em 2005 ainda não está silenciado", disse. Para Marques, este resultado de circulação viral não é motivo para novos embargos internacionais à carne brasileira. "Aquele foco de 2005 ainda está sendo combatido e a área está sendo checada constantemente para evitar o surgimento de novos focos. A área continua isolada e deve permanecer assim", disse. Matéria alterada às 17h16 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.