Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Governo diz que trabalha com agências internacionais por estabilidade de preços de petróleo e de gás

Ministério de Minas e Energia e Ministério das Relações Exteriores afirma que o governo acompanha com atenção a volatilidade dos preços internacionais em razão da guerra na Ucrânia

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 22h31

BRASÍLIA - O governo brasileiro informou na noite desta quinta-feira, 3, que acompanha com atenção a volatilidade dos preços internacionais de petróleo e gás natural. O preço das matérias-primas dispararam na última semana com receios de sanções econômicas e dificuldades no suprimento dos insumos, em razão do conflito entre Rússia e Ucrânia.

“O governo brasileiro seguirá acompanhando a evolução dos mercados de energia, em permanente diálogo e coordenação com seus parceiros, em especial no G20, e em colaboração com as agências especializadas, em particular a Agência Internacional de Energia. O Brasil continuará a promover nesses foros a estabilidade e a sustentabilidade dos mercados globais de energia", informou o Ministério de Minas e Energia e o Ministério das Relações Exteriores em nota conjunta. 

De acordo com as pastas, o governo está atento aos possíveis reflexos dos preços nas cadeias de produção e fornecimento do petróleo, gás natural e derivados. No comunicado, a equipe de Jair Bolsonaro saudou a decisão adotada pelos países membros da Agência Internacional de Energia, de liberar reservas de óleo.

“O governo brasileiro saúda a iniciativa adotada pelos países-membros da Agência Internacional de Energia, vinculada à OCDE, em 1º de março corrente, no sentido de liberar 60 milhões de barris de petróleo adicionais, equivalentes a 2 milhões de barris/dia, pelos próximos 30 dias.”

Em relação ao Brasil, o governo ressaltou que as “políticas públicas e leilões promovidos pelo MME vêm garantido a manutenção dos investimentos e modernização na indústria do petróleo brasileira". As pastas afirmaram que o Brasil produz, em média, 3 bilhões de barris por dia, o que aumenta a "segurança energética global".

”O atual momento também reforça a importância da diversificação da matriz energética, de forma a assegurar acesso à energia mais seguro e sustentável. O Brasil detém uma das matrizes mais limpas do mundo e continuará estimulando as fontes limpas e renováveis, inclusive a bioenergia moderna e os biocombustíveis.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.