Estadão
Estadão

Governo amplia prazo para retirada de abono salarial

Benefício poderá ser sacado entre 28 de julho e 31 de agosto; 1,2 milhão de beneficiários ainda não retiraram o valor

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2016 | 20h00

Em mais uma tentativa de criar uma agenda positiva, o governo do presidente em exercício Michel Temer autorizou "excepcionalmente" a ampliação do prazo para o pagamento do abono salarial, referente ao exercício de 2015/2016, aos participantes que não retiraram o benefício no prazo encerrado nesta quinta-feira, 30. Aqueles que não sacaram o abono poderão fazê-lo entre os dias 28 de julho e 31 de agosto.

Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, 95% dos trabalhadores que têm direito ao benefício foram às agências da Caixa Econômica Federal para sacar o recurso. No entanto, cerca de 1,2 milhão de beneficiários ainda não compareceram. "Nossa meta é atingir 100%", disse.

Nogueira negou que a intenção do governo seja oferecer um pacote de bondades. "Esse dinheiro é do trabalhador e não dá pra considerar gesto de bondade, é gesto de Justiça", disse. Segundo o ministro, não há impacto nas contas públicas porque os recursos em questão já estavam disponíveis. "Existe inclusive a previsão orçamentária para isso", disse.

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que a extensão de prazo de abono não tem nada a ver com eleição ou baixa popularidade. "Tem a ver com governar para todos. Por isso que existe governo", disse.

Nogueira afirmou que o governo já havia feito uma campanha enviando cartas aos trabalhadores para informar do direito ao benefício, mas que agora com a extensão do prazo e uma "campanha de divulgação intensificada" acredita que o objetivo de alcançar 100% será exitoso.

Segundo Nogueira, 22 milhões de trabalhadores têm direito ao benefício. Podem receber o abono salarial pessoas que trabalharam com vínculo empregatício por pelo menos 30 dias em 2015, ganhando, em média, até dois salários mínimos e que estejam inscritos no PIS ou Pasep há cinco anos, ou seja, pelo menos, desde 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.