Governo anuncia medidas para conter inflação na Venezuela

O governo venezuelano anunciou neste domingo uma série de medidas para conter a inflação e a escassez de produtos. Em entrevista coletiva conjunta com os ministros de Finanças, Rodrigo Cabezas, e Indústrias Leves, María Iglesias, o vice-presidente do país, Jorge Rodríguez, disse que o governo tenta combater a "onda especulativa nos preços dos alimentos".A Venezuela registrou no ano passado uma inflação de 17% e uma taxa mensal de 2% em janeiro, o que leva ao temor de que não cumprirá a meta do governo de uma redução aos 12% este ano. Isto acontece principalmente em função da alta de preços dos alimentos e da liquidez monetária.Neste sentido, as autoridades informaram que autorizaram o aumento da cotação do dólar ao preço oficial (2.150 bolívares) para viajantes e compras particulares pela internet, e que a estatal petrolífera PDVSA use a moeda americana no pagamento interno de dividendos e impostos.Isso indica que a estatal Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA) entregará a partir desta segunda-feira os impostos, royalties e dividendos em dólares à Tesouraria Nacional, para que o Executivo os mude para bolívares apenas quando necessitar, explicou Cabezas.O ministro de Finanças deixou claro que a medida não representa uma "dolarização", mas um mecanismo para reduzir a liquidez da moeda nacional. Além disso, o governo aumentou de US$ 2.500 a US$ 3 mil anuais a disponibilidade individual para compras pela internet.O vice-presidente advertiu que se as novas medidas não forem suficientes para conter a especulação nos preços e a escassez da oferta, o governo pode assumir o controle de matadouros, frigoríficos e supermercados. A previsão é de que a economia nacional crescerá este ano em torno de 7% (10,3%, em 2006).O vice-presidente também anunciou um subsídio de cerca de US$ 183 milhões ao ano para a produção de algodão, cana de açúcar, sorgo, milho e arroz, mas com o compromisso dos beneficiados que isso significará preços menores para os consumidores finais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.