DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Governo anuncia meta fiscal de 2017 nesta quinta-feira

Previsão é que déficit nas contas seja superior a R$ 150 bilhões, mesmo com anúncio de aumento de impostos

Rachel Gamarski, Eduardo Rodrigues e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

07 Julho 2016 | 10h38
Atualizado 07 Julho 2016 | 12h51

Após ter divulgado que o anúncio da meta fiscal de 2017 seria feito depois de uma reunião entre o presidente em exercício, Michel Temer, e os ministros da equipe econômica marcada para o meio-dia, o Palácio do Planalto retificou nesta quinta-feira, 7, a informação e informou que o encontro foi adiado e a coletiva para detalhar a meta fiscal de 2017 será apenas às 18 horas, após o fechamento do mercado. 

Mais cedo, antes da informação do Planalto que o anúncio seria feito após a reunião do meio dia, o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, já havia informado que a meta seria anunciada no final da tarde de hoje.

Após uma série de reuniões, o governo não conseguiu definir o tamanho do déficit do ano que vem. Segundo fontes, na reunião não se falou de nenhum número abaixo dos R$ 150 bilhões. Antes da reunião de ontem à noite, interlocutores do presidente afirmaram que a conta ainda estava sendo feita, mas o número "estava mais próximo de R$ 155 bilhões do que de R$ 160 bilhões". "Tem que ter uma sinalização de que a vitória foi do Meirelles", afirmou a fonte.

Enquanto a área econômica defende um déficit de R$ 150 bilhões, há na área política quem defenda, a exemplo do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, a repetição da meta deste ano, de rombo de R$ 170,5 bilhões, que ainda assim já imporia aperto adicional de gastos. 

 

Após o encontro de ontem, o presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO), o deputado Arthur de Lira (PP-AL), confirmou as dificuldades na negociação. Segundo ele, Fazenda, Planejamento, Banco Central e Receita ainda têm números diferentes e que há como "arrefecer" o déficit do ano que vem. "O número bruto do déficit seria de até R$ 194 bilhões. Obviamente não será esse número, vai ser ajustado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.