finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo anunciará plano para redução de gastos na próxima semana

O governo vai anunciar na próxima semana um plano de redução de gastos para custeio da máquina pública, segundo informou o ministro do Planejamento, Guido Mantega, hoje em São Paulo.De acordo com ele, os gastos com custeio representavam, em 2002, 14,2% dos gastos gerais da União. A meta para o próximo ano é de 12,2%. "É uma redução significativa de 2 pontos porcentuais", disse. "Estamos permanentemente reduzindo gastos de custeio", acrescentou.Mantega não quis dar mais detalhes sobre o plano de redução de gastos, informando que o programa será minuciosamente explicado na semana que vem.Superávit primárioMantega afirmou ainda que o superávit primário - arrecadação do governo menos os gastos, exceto o pagamento de juros - deve convergir para 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) até o fim do ano. Segundo ele, apesar do superávit consolidado ter ficado em 5,82% do PIB em agosto, historicamente há uma redução desse porcentual com a proximidade do final do ano."O superávit vai diminuindo ao longo do tempo porque os investimentos aumentam no segundo semestre. Com certeza, não vai passar (o superávit) dos 4,5% que o governo estabeleceu esta semana", disse. Para o próximo ano, Mantega confirmou que a meta é de 4,25% do PIB e disse que o governo ainda não pensou em alterá-la.PPP após eleiçõesMantega informou que o governo concentrará esforços para aprovar as Parcerias Público-Privadas (PPPs) logo após o primeiro turno das eleições municipais e até o final do ano o projeto já deverá estar sancionado. De acordo com o ministro, entre os setores prioritários estão os de infra-estrutura e logística.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2004 | 14h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.