portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Governo aponta falhas na indústria de cartão de crédito

O Banco Central divulgou nesta terça-feira estudo sobre a indústria de cartão de crédito no Brasil em que conclui que o setor é excessivamente verticalizado e que não tem repassado aos clientes as reduções de custo obtidas com ganhos de escala.

REUTERS

31 de março de 2009 | 18h21

O relatório, feito em conjunto com as secretarias de Acompanhamento Econômico e de Direito Econômico, foi concluído num momento em que crescem as pressões, dentro e fora do governo, por uma redução dos spreads dos financiamentos.

O diretor de Política Monetária do BC, Mario Torós, afirmou que o BC receberá sugestões e críticas sobre o estudo nos próximos 90 dias e que o objetivo final é "trabalhar pelo aperfeiçoamento da indústria". Não há prazo, contudo, para a divulgação de medidas para o setor.

O BC apontou o fato de, no Brasil, apenas duas empresas serem responsáveis pelo credenciamento das duas principais bandeiras --a Visanet é a única credenciadora do cartão Visa e a Redecard é a única credenciadora do MasterCard.

Juntos, os dois nomes respondem por mais de 90 por cento dos cartões ativos no país. Essa concentração é comum no resto do mundo, segundo o BC, mas a verticalização --credenciadora exclusiva para as bandeiras-- não é considerada um bom modelo.

O BC criticou ainda o fato de os lojistas não serem hoje amplamente autorizados a conceder preços diferenciados nos pagamentos com cartão e à vista.

Segundo o chefe do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos do BC, José Antonio Marciano, essa restrição reduz o poder de negociação dos lojistas com as credencidadoras no momento de acertar as taxas de desconto.

"A gente está avisando a indústria: vi e não gostei", resumiu Marciano ao detalhar o relatório.

O volume de transações com cartões de crédito somou 3,9 bilhões de reais em 2007 --último período analisado pelo BC--, ante 1,4 bilhão de reais em 2002.

Os cartões de crédito lideraram as reclamações nos órgãos de defesa do consumidor nos anos de 2006 a 2008. De um total de 826 mil reclamações computadas no período em todo o país (exclui São Paulo), 12 por cento diziam respeito a cartão de crédito.

(Reportagem de Isabel Versiani)

Tudo o que sabemos sobre:
BACENCARTAOCREDITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.