Governo argentino decide monitorar preços

O vice-ministro de Economia, Jorge Todesca, anunciou que o governo vai monitorar os preços. Em entrevista a uma rádio de Buenos Aires, Todesca afirmou que existe uma "campanha psicológica empurrando os aumentos dos preços, por parte de setores interessados no fracasso do plano e incomodados pela desvalorização". O vice-ministro disse que tanto o governo como os consumidores precisam trabalhar para que a desvalorização não seja transferida para os preços.Ontem, o presidente Eduardo Duhalde reuniu-se com as entidades de defesa dos consumidores para que, junto com o governo, realizem este controle. Por enquanto, segundo informações do vice-ministro, o governo vai vigiar os preços, mas se estes se tornarem abusivos e incontroláveis, ele não descarta um controle formal.Jorge Todesca confirmou também que ainda hoje, o Banco Central emitirá as normas para flexibilizar a disponibilidade dos depósitos, aumentando de mil pesos para 1.500 pesos os saques mensais das contas-salários. Além desta, o BC divulgará ainda o cronograma para a retirada dos depósitos semi-congelados.Fontes do Ministério de Economia estimaram que os prazos vão variar de três meses à dois anos, começando com os depósitos e aplicações em prazo fixo de menores valores. Segundo Jorge Todesca, dentre as normas que serão divulgadas pelo BC, contam os detalhes sobre funcionamento do sistema de controle de câmbios, tais como as operações que serão feitas pelo câmbio fixo e quais obedecerão o câmbio flutuante.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.