Governo argentino deverá apresentar o novo plano econômico no sábado

O governo da Argentina está preparando os principais pontos do seu novo plano econômico a ser divulgado no próximo sábado, segundo informaram fontes ligadas às autoridades argentinas. O plano está sendo elaborado pelas autoridades e por especialistas, como o brasileiro e presidente do Banco Central do Brasil, Armínio Fraga, que estará possivelmente de novo em Buenos Aires, na próxima terça-feira. O principal ponto é a emissão de pesos, para substituir o dólar no mercado e nos bancos. Esta emissão deverá provocar uma inflação, mas ela e a causada pelos aumentos de preços, não deverão passar de 15% neste ano, disseram as mesmas fontes a várias agências de notícias e ao diário La Nación. O governo argentino, de acordo com as fontes, poderia emitir inicialmente $ 3,6 bilhões em pesos, o que significaria manter a relação entre as reservas e o meio circulante, e ficando a cotação do dólar em $ 1,40 peso, que é a cotação oficial de hoje. Mas, no Banco Central, defende-se a idéia de não se superar um limite de emissão de $ 2,6 bilhões. As discussões prosseguem dentro do governo, por que o nível de emissão dependerá do nível de gastos e do défícit que se poderá cobrir.Os setores que defendem uma maior emissão sustentam que isto dependerá do comércio exterior do país que para este ano se estima um superávit de US$ 10 bilhões. E também há uma preocupação de todos de que a inflação não supere 15% este ano na Argentina, como defende o ministro da Economia Jorge Remes Lenicov.As mesmas fontes governamentais revelam que o governo do presidente Eduardo Duhalde trabalha contra o relógio para apresentar até o próximo sabado o novo plano econômico e para que também o seu chanceler, Carlos Ruckauf já apresente ao secretário de Estado americano, na quarta-feira, uma pincelada deste novo plano, e nos outros encontros que espera manter em Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.