Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Governo assina contrato de concessão da BR-153

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, assinou na manhã desta sexta-feira, 12, o contrato de concessão da rodovia BR-153 no trecho que liga Anápolis (GO) a Aliança do Tocantins (TO). Esse foi o sexto contrato de concessão rodoviária firmado pelo governo dentro do Programa de Investimentos em Logística (PIL). Dos 624,8 quilômetros de extensão do trecho concedido, 598,3 quilômetros deverão ser duplicados em até cinco anos. A partir de então, dependendo do volume de tráfego da pista, a concessionária deverá implementar também uma 3ª faixa de rolagem.

EDUARDO RODRIGUES, Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 10h53

A empresa Galvão Engenharia foi a vencedora do leilão realizado em maio deste ano, com uma tarifa de pedágio de R$ 4,98 a cada 100 quilômetros, lance que representou um deságio de 45,99% em relação à tarifa teto de R$ 9,22/100Km que constava no edital. Esses valores referem-se a maio de 2012 e serão corrigidos quando a cobrança for iniciada. O contrato tem prazo de 30 anos e estão previstas nove praças de pedágios, que só poderão começar a operar após a conclusão de pelo menos 10% das obras de duplicação, o que deve ocorrer em 18 meses.

Os investimentos estimados nas três décadas de concessão somam R$ 4,3 bilhões, sendo R$ 2,7 bilhões nos primeiros cinco anos de contrato. Somente as obras de duplicação devem chegar a R$ 1,5 bilhão. Também estão previstas a construção de vias marginais e a recuperação da pista existente. Além disso, caso a concessionária obtenha uma melhoria no índice de acidentes na BR-153, poderá haver um incremento nos preço de pedágio.

Tudo o que sabemos sobre:
BR 153GOcontrato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.