Fotos públicas
Fotos públicas

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Governo aumenta para 2,40% previsão de alta do PIB em 2020

Estimativa para a inflação deste ano também foi revista, de 3,53% para 3,62%

Eduardo Rodrigues e Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 11h54

BRASÍLIA - O Ministério da Economia revisou para cima sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta da atividade neste ano passou de 2,32% para 2,40%.

No último relatório Focus, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central estimaram uma evolução de 2,30% para o PIB de 2020. Para 2021, a estimativa é de alta de 2,50%.

A projeção oficial do BC para o PIB é de alta de 2,2% em 2020, conforme o Relatório Trimestral de Inflação publicado em dezembro do ano passado.

Para o ano de 2019, cujo resultado ainda não foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a previsão da área econômica de crescimento passou de 0,90% para 1,12%. Os economistas ouvidos pelo Banco Central estimam crescimento de 1,17% para o PIB de 2019.

Inflação

O ministério também revisou para cima sua projeção para a inflação medida pelo IPCA em 2020. De acordo com os novos parâmetros, a estimativa para a alta de preços neste ano passou de 3,53% para 3,62%.

No último relatório Focus, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central estimaram que o IPCA deve acumular uma alta de 3,58% em 2020. Já a projeção oficial do BC no cenário de mercado aponta para um IPCA de 3,5% neste ano, conforme o Relatório Trimestral de Inflação publicado em dezembro do ano passado.

Todas as projeções para a inflação estão abaixo do centro da meta de 2020, de 4,00%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%).

No ano passado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do Brasil, fechou em 4,31%, acima do centro da meta para o ano, que era de 4,25%. Foi a maior inflação anual desde 2016.

O Ministério da Economia também atualizou a projeção para o INPC – utilizado para a correção do salário mínimo. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta do indicador neste ano passou de 3,54% para 3,73%. Já a estimativa da Economia para a alta do IGP-DI em 2020 passou de 4,20% para 4,32%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.