finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo autoriza aumento em tarifas de energia

Os consumidores de energia elétrica vão pagar mais pelos chamados custos não gerenciáveis das distribuidoras, que incluem, por exemplo, a variação da cotação do dólar para a energia comprada da usina hidrelétrica de Itaipu. O governo autorizou ontem a criação da Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A (CVA), na qual essas variações serão registradas e, na data de reajuste anual das tarifas, serão corrigidas pela variação da Selic, a taxa básica de juros.Os itens que farão parte da conta de compensação representam 27,2% da composição tarifária das Regiões Sudeste e Centro-Oeste, 22,7% no Sul, 8,2% no Norte e 10,2% no Nordeste. A menor incidência de custos no Nordeste e Norte é porque essas regiões consomem pouca energia de Itaipu.O anúncio foi feito ontem pelo ministro de Minas e Energia, José Jorge, e o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, José Guilherme Reis. Pelas novas regras, essa conta será administrada por cada concessionária e deverá registrar as variações ocorridas no período entre os reajustes tarifários anuais. Essa diferença será repassada para as tarifas nos aniversários dos contratos.Reis afirmou que a mudança dos critérios de repasse da variação dos custos não-gerenciáveis das distribuidoras não altera a periodicidade anual do reajuste de tarifas para o consumidor. Nem o secretário, nem o ministro quiseram confirmar que a mudança de critérios ocasionará um aumento das tarifas acima do normal.Hoje os custos não gerenciáveis das distribuidoras já são repassados, mas sem a correção pela taxa Selic, que está em 19% ao ano. A medida visa a reduzir a insatisfação dos investidores privados, que reclamam prejuízos constantes por não poderem repassar esses custos corrigidos para as tarifas. Além disso, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vem periodicamente rejeitando pedidos de reajuste extraordinário das concessionárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.