Governo avaliará possibilidade de novas medidas, diz ministro

Miguel Jorge afirmou que reunião terão como base as discussões do GAC para avaliar necessidade de incentivos

Isabel Sobral, da Agência Estado,

17 de junho de 2009 | 19h22

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse nesta quarta-feira, 17, que o governo deve se reunir, na próxima semana, para avaliar a possibilidade de novas medidas ou incentivos a setores da economia, tendo como base as discussões feitas pelo Grupo de Acompanhamento da Crise (GAC), em reunião realizada no Ministério da Fazenda.

 

Ele relatou que a reunião mostrou um quadro bastante parecido com o do último encontro do grupo. "Temos alguns setores que estão reagindo muito bem, como a construção civil, o setor naval e o varejo. Mas temos outros com algumas dificuldades em razão da diminuição das exportações e da falta de investimentos", disse o ministro.

 

O setor de bens de capital, segundo ele, foi um que apresentou números negativos, porém muito parecidos com o da última reunião e esse é um setor, segundo o ministro, que reflete muito a falta de investimentos. "E isso é causado pela grande ociosidade que alguns segmentos ainda têm na faixa dos 80%", disse.

 

O ministro relatou que não se tratou de possível prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em vigor em setores como automóveis, materiais de construção e eletrodomésticos da linha branca. Mas ele confirmou que os representantes da área de materiais de construção pediram uma prorrogação do benefício, alegando que ainda precisam de um pouco mais de tempo para que os consumidores sintam o efeito desse estímulo fiscal.

 

Além disso, segundo Miguel Jorge, esse mesmo setor também pediu que, se a prorrogação for concedida, que ela não seja anunciada no último dia, alegando, segundo o ministro, que o setor não trabalha com altos estoques como os outros beneficiados pela redução do imposto.

 

Ele afirmou que o governo avalia que a crise ainda não passou totalmente e, por isso, o ministro não descarta a possibilidade de novas medidas serem adotadas. "Nós nunca dissemos que a crise já passou. Até porque, se já tivesse passado, estaríamos numa situação como a do início do ano passado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.