Governo baixa o preço do diesel nos postos em 9,6%

Às vésperas da divulgação do PIB, governo corta o preço do diesel na bomba e da gasolina nas refinarias

Tânia Monteiro, Fabio Graner e Renata Veríssimo, O Estadao de S.Paulo

09 de junho de 2009 | 00h00

O governo anunciou ontem uma redução de 9,6% nos preços do óleo diesel para o consumidor. O preço do combustível na bomba vai cair porque a Petrobrás diminuiu em 15%, a partir de hoje, o preço do diesel na saída das refinarias. Mas, como o Ministério da Fazenda aumentou simultanemente o valor da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobrado sobre o combustível, a redução do preço para o consumidor será menor. A Petrobrás anunciou também uma queda de 4,5% no preço médio da gasolina nas refinarias. Nesse caso, contudo, o preço para o consumidor não vai se alterar porque a diminuição será anulada pela alta da Cide. De acordo com o Ministério da Fazenda, a Cide cobrada na gasolina aumentará de R$ 0,18 para R$ 0,23 por litro. No diesel, o tributo passará de R$ 0,03 para R$ 0,07 por litro. Feito na véspera da divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre e dois dias antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que vai definir o novo nível da taxa básica de juros, o anúncio foi também calibrado para influir na decisão a ser tomada pelo Banco Central. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a redução do diesel é uma medida "anticrise", que significará redução de custos para setores importantes da economia e, portanto, poderá implicar inflação menor no futuro. "O diesel é um combustível importante para o setor agrícola, para o transporte urbano. Daí a importância dessa redução de preço." A decisão do governo de baixar o preço do diesel havia já sido antecipada em abril pelo Estado, que relatou promessa feita na época pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, a representantes de caminhoneiros. A redução dos preços tornou-se possível diante da redução das cotações internacionais do petróleo nos últimos meses. No ano passado, o barril chegou perto de US$ 150. Ontem, estava por volta de US$ 68 em Nova York. Com a queda do petróleo, a Petrobrás vinha sendo pressionada a reduzir os preços dos derivados. A estatal, no entanto, argumentava que era preciso aguardar a estabilização das cotações. O governo fez ontem um movimento contrário ao de abril de 2008. "É o inverso do que houve no ano passado, quando o preço da gasolina subiu e baixamos a Cide, e ela (gasolina) ficou, para o consumidor, no mesmo preço", disse Mantega. De acordo com o Ministério da Fazenda, a nova alíquota da Cide para o diesel é a mesma que valia até 30 de abril de 2008. A redução do preço leva em conta também a alta de 3% para 4% da adição de biodiesel no diesel de petróleo, a partir de 1º de julho. Já no caso da gasolina, a alíquota não foi restaurada plenamente para evitar um aumento do preço ao consumidor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.