Beatriz Bulla
Beatriz Bulla

Governo brasileiro avalia como 'positiva' candidatura dos EUA ao BID

O governo do Brasil tinha a intenção de indicar um nome do País para o cargo e vinha tentando o apoio dos EUA para isso

Lorenna Rodrigues e Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2020 | 16h45

BRASÍLIA E WASHINGTON – Depois de ser “atropelado” pela decisão dos Estados Unidos de indicar um nome para a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o governo brasileiro divulgou nota em que avalia como “positiva” a candidatura dos norte-americanos. O governo do Brasil tinha a intenção de indicar um nome do País para o cargo e vinha tentando o apoio dos EUA para isso.

“Brasil e os Estados Unidos compartilham valores fundamentais, como a defesa da democracia, a liberdade econômica e o Estado de Direito. O Brasil defende uma nova gestão do BID condizente com esses valores e com o objetivo maior de promoção do desenvolvimento e da prosperidade na região”, afirma a nota.

Como mostrou o Estadão, a decisão dos Estados Unidos de anunciar candidato próprio para disputar a presidência do BID, hoje ocupada pelo colombiano Luis Alberto Moreno, pegou de surpresa os brasileiros. Até segunda, 15, o Ministério da Economia acreditava que teria o apoio do governo Trump no pleito e conseguiria emplacar um nome do País para a presidência da instituição. Segundo fontes ligadas à equipe econômica, esta é a forma de dizer que o País irá apoiar a candidatura do nome indicado pelos americanos. Com isso, o Brasil desistiu de lançar candidato próprio.

Há cerca de duas semanas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, avisou o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, por telefone, que o Brasil indicaria Rodrigo Xavier, ex-presidente do UBS e do Bank of America no Brasil, para o posto. O americano não se comprometeu com o apoio. Na segunda, segundo fontes do governo, Mnuchin telefonou a Guedes. O assunto em questão seria a presidência do BID.

Nesta terça-feira, 16, os EUA anunciaram a intenção de nomear Mauricio Claver-Carone para o posto. Carone é atualmente diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional para Assuntos do Hemisfério Ocidental, considerado um dos responsáveis pela política mais linha dura do governo republicano com relação a Cuba, Venezuela e Nicarágua. A eventual eleição do americano quebra uma tradição de escolher um nome da região para chefiar a instituição.

Por já serem os maiores acionistas, os EUA costumam ficar de fora do rodízio de presidentes do banco. O governo Trump, no entanto, está disposto a quebrar o protocolo.

Pela política interna de rotação de presidentes do banco, candidatos do Brasil ou da Argentina são os que teriam maior chance de receber apoio significativo na eleição, que acontecerá em 2020. Com a eleição de Alberto Fernández, nome da esquerda argentina, no ano passado, o governo brasileiro avaliou que os EUA apoiariam um nome do governo Bolsonaro, alinhado a Trump.

O Equador anunciou publicamente o apoio a Claver-Carone, uma manifestação que era aguardada também do Brasil. O governo brasileiro, no entanto, optou por uma nota vaga, sem o compromisso claro com o americano, apesar de o time econômico já ter desistido de lançar uma candidatura própria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.