Governo central tem menor superávit primário para julho em 10 anos

Segundo o Tesouro Nacional, contas da União apresentaram um saldo positivo de R$ 770 milhões no mês

Adriana Fernandes e Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

26 de agosto de 2010 | 09h42

As contas do governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS) apresentaram em julho um superávit primário (receitas menos despesas, sem considerar o pagamento de juros) de R$ 770,2 milhões, o menor para o mês desde 2000. De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira, 26, pelo Tesouro Nacional, nos sete primeiros meses do ano o superávit acumulado é de R$ 25,640 bilhões, o equivalente a 1,29% do PIB. O resultado até julho é R$ 5,591 bilhões superior ao registrado mesmo período do ano passado, quando o superávit estava em R$ 20,049 bilhões, ou 1,14% do PIB.

Mesmo com o aumento da arrecadação da Receita Federal, as despesas do governo central nos sete primeiros meses deste ano avançaram no ritmo maior do que o das receitas. Enquanto as despesas apresentaram crescimento de 17,8% no período, para R$ 364,281 bilhões, as receitas tiveram uma expansão de 16,4% no mesmo período, para R$ 467,643 bilhões.

Nos sete primeiros meses do ano passado, as despesas cresciam 15,9% e as receitas apresentavam uma queda de 1,5%. Os dados do Tesouro divulgados há pouco mostram que as despesas com pessoal entre janeiro e julho cresceram 8,6% ante 19,1% no mesmo período do ano passado. As despesas com custeio e capital apresentam neste período um crescimento de 31,4% ante 17% no ano passado.

Investimentos

O ritmo de crescimento dos investimentos do governo central caiu em julho. Dados divulgados pelo Tesouro mostram que os investimentos de janeiro a julho somaram R$ 25,1 bilhões, com alta de 67% sobre o mesmo período do ano passado. Até junho, no entanto, os investimentos estavam crescendo 72% em relação a igual período de 2009 e somavam R$ 20,6 bilhões.

Os investimentos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somam, de janeiro a julho, R$ 10,606 bilhões, um crescimento de 63% ante igual período do ano passado. Até junho, os investimentos do PAC estavam crescendo a um ritmo de 85%.

Tesouro Nacional, BC e Previdência

Em julho, as contas do Tesouro Nacional apresentaram superávit primário de R$ 3,381 bilhões. Por outro lado, as contas da Previdência Social registraram um déficit primário de R$ 2,565 bilhões e o Banco Central um saldo negativo de R$ 46,1 milhões.

No acumulado do ano, as contas do Tesouro Nacional apresentaram um superávit de R$ 51,133 bilhões e as da Previdência, um déficit primário de R$ 25,161 bilhões. O Banco Central acumula nos sete primeiros meses do ano um déficit primário de R$ 331,6 milhões. Ao longo do primeiro semestre as contas do governo central apresentaram superávit em quatro meses (janeiro, abril, junho e julho) e déficit em fevereiro, março e maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.