Governo comemora alta recorde de investimentos, pelo menos desde 95

Taxa cresceu 14,4% entre 3º trimestre de 2006 e igual período de 2007 e foi o 15.º resultado positivo do indicador

Renata Veríssimo, Fernando Nakawa e Denise Chrispim Marin, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2007 | 00h00

Os bons números do Produto Interno Bruto (PIB) e dos investimentos no País, divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aumentaram o otimismo do governo com o desempenho da economia. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou, em nota à imprensa, que os dados mostram que "é possível esperar um crescimento acima de 5% neste ano, bem como a manutenção do crescimento em 5% ou mais nos próximos anos conforme o estabelecido pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)". Pelos dados divulgados ontem, a taxa de investimentos (medida pela formação bruta de capital fixo) cresceu 14,4% entre o terceiro trimestre de 2006 e igual período de 2007. Foi o 15º resultado positivo do indicador e o melhor desde o segundo trimestre de 1995.Na nota, o ministro disse que a expansão do PIB no terceiro trimestre reflete o bom momento da economia brasileira, revelando o grande potencial produtivo das empresas e os acertos da política econômica adotada nos últimos anos. Mantega destacou o aumento do investimento, que segundo ele garante a sustentação do crescimento no nível de 5%, com estabilidade da inflação e o crescimento do consumo das famílias, o que, na avaliação do ministro, confirma a criação de um mercado de massa no Brasil. "Ambos os resultados são influenciados por decisões de política econômica, como as desonerações tributárias do investimento, as políticas de transferência de renda e o aumento do salário mínimo." O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, avaliou que os números do PIB reforçaram a tese de que o Brasil vive período de desenvolvimento sustentável. "O resultado confirma, mais uma vez, que o atual ciclo de crescimento vivido pelo Brasil é forte e sustentado", disse ele, também em declaração distribuída pela assessoria de imprensa. Para Meirelles, o País "está colhendo os frutos da estabilidade econômica".Meirelles afirmou que o desempenho "permite o aumento da capacidade produtiva de forma a aumentar a disponibilidade de bens e serviços e o bem-estar da população".O presidente do BC também destacou o aumento dos investimentos. Para ele, a evolução desse indicador sustenta a avaliação de que a economia brasileira tem crescido em conjunto com o aumento da capacidade de produção. "O crescimento da demanda doméstica voltou a ser o destaque, em especial pela robusta expansão da formação bruta de capital fixo."Os investimentos crescentes são, segundo Meirelles, "a evidência mais concreta da retomada da confiança e da maior previsibilidade conquistada pela economia brasileira ao longo dos últimos anos". O presidente do BC estava ontem em Tel-Aviv, onde participou da Conferência de Negócios de Israel.Em Caracas, onde se encontra chefiando uma missão empresarial, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse ao Estado que acredita em um crescimento da economia de no mínimo 5% em 2007. O ministro disse que tinha essa expectativa desde que foram divulgados os dados de maio e junho, e a previsão foi reforçada pelo desempenho da economia desde então. Miguel Jorge atribuiu os bons números divulgados ontem principalmente à alta do consumo interno. Ele destacou o desempenho de setores como o automobilístico e a construção civil, que, desde o ano passado, foram favorecidos pela ampliação do crédito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.