Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Governo corre para protocolar proposta dos militares na quarta-feira

Nos EUA, ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o texto vai ser avaliado pelo presidente Jair Bolsonaro antes

Ricardo Leopoldo, correspondente e enviado especial, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2019 | 13h23

WHASHINGTON - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 18, na capital dos Estados Unidos, que o governo vai correr para ver se a proposta de reforma da previdência dos militares entra no Congresso na quarta-feira, 20. "Todo mundo entrou na reforma da previdência e militares têm que entrar também", disse ele a jornalistas.

Em Washington, Guedes ressaltou que se economia com a reforma for menor de R$ 1 trilhão, o "compromisso com futuras gerações será relativo". Sobre os militares, o ministro disse que o texto vai ser avaliado pelo presidente Jair Bolsonaro, que em seguida vai mandar as medidas para o Congresso.

Guedes afirmou que o novo regime de previdência vai aumentar o salário médio do trabalhador no Brasil. "A nova Previdência vai dar uma choque de empregabilidade", afirmou o ministro. "A nova Previdência vai democratizar a poupança e reduzir encargos."

 O ministro disse ainda que na proposta de reforma da Previdência, o governo vai criar um novo regime de capitalização. "Há um custo de transição", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.