Governo cria programa para ajudar agricultor do Nordeste

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou hoje nos seu programa Café com o Presidente, pela manhã, medidas para reduzir os efeitos da estiagem no Nordeste, na área do semi-árido, como um programa de seguro que dará R$ 550,00 de benefício ao agricultor atingido pela seca, que vai pagar 1%: R$ 5,50. Prefeituras e Estados entram com 10% e o governo federal com 90%. O anuncio foi feito conjuntamente, pois o programa quinzenal de rádio contou com a presença do ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto.Ainda sobre o Nordeste, o presidente disse que neste ano será iniciada a revitalização do Rio São Francisco, que já começou com obras de saneamento, e de reflorestamento. "Vamos levar um pouco de água para que o semi-árido nordestino, a parte mais seca do Nordeste, tenha água para beber, não só para a família, mas para os animais também", explicou. Segundo Lula, com esse trabalho do canal do São Francisco, haverá experiências com agricultura familiar, com cooperativas. "Não é aquilo que acontecia: Tem uma desgraça qualquer, vai o governo dá uma ajudazinha de R$ 30, e acabou a seca, acabou a ajuda. Não. Nós estamos querendo que as pessoas com a nossa agricultura familiar e também a agricultura empresarial tenham tranqüilidade de trabalhar e saber que o governo está olhando por eles, com carinho, com muito respeito, porque nós valorizamos muito o homem que trabalha no campo e produz alimentos".Medidas para o SulSobre o Sul do País, onde a estiagem atingiu vários municípios, o ministro Miguel Rosseto anunciou já estar liberando recursos novos: "R$ 800 milhões para financiar as lavouras do inverno, para financiar as pastagens. Nós estamos trabalhando para diminuir os prejuízos, mas pensando na retomada da produção", disse"E, por fim, nós estamos dialogando com os governadores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná para criarmos um Fundo Solidário para aquelas famílias que não tenham sido beneficiadas por essas medidas, especialmente as famílias mais empobrecidas do nosso campo", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.