Governo criará central para combater a febre aftosa

O governo vai criar uma espécie de gabinete de crise para o combate à febre aftosa, que agora aparece não somente no Mato Grosso do Sul, mas também no Paraná. Em nota à imprensa, o Ministério da Agricultura informou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em conversa com o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse que iria criar um conselho interministerial "com a atribuição de articular ações comuns que tenham a ver com o controle e combate à febre aftosa". A medida pretende mostrar que o controle e a solução do problema da aftosa, que já atinge dois Estados brasileiros, é prioridade do governo, após surgirem duras críticas citando escassez e mau uso das verbas para a prevenção da doença. A nota diz que o combate à aftosa e a defesa da saúde do rebanho bovino brasileiro é "uma questão de segurança nacional e um ato de defesa do consumidor".Farão parte do conselho, além de Rodrigues, os ministros da Casa Civil, Dilma Rousseff; Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan; Fazenda, Antônio Palocci; Planejamento, Paulo Bernardo; Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto; e Justiça, Márcio Thomaz Bastos. A nota informa também que o presidente Lula reiterou a Roberto Rodrigues sua intenção de "liderar um movimento continental de erradicação da febre aftosa, que discuta a possibilidade da realização do programas comuns de vacinação".O Ministério da Agricultura afirmou na nota que as ações de defesa sanitária, especificamente o combate à febre aftosa, devem ter total transparência e defendeu o compartilhamento das ações entre governo federal, Estados e municípios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.