finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo cumpre apenas 33% da meta de gastos do PAC para 2007

Do total prometido de R$ 15,2 bilhões, foram gastos até agora apenas R$ 5 bilhões. Bernardo admite lentidão

Fabio Graner, da Agência Estado,

21 de novembro de 2007 | 11h50

O governo deve encerrar o ano longe de atingir os investimentos programados para este ano com as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). De acordo com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, foram gastos até agora R$ 5 bilhões. O governo promete R$ 503,9 bilhões em investimentos até 2010, sendo R$ 15,2 bilhões autorizados para serem gastos neste. Ou seja, apenas 33% da meta foi cumprida. Bernardo admitiu que o ritmo de investimentos no PAC não está como o governo desejava. "O PAC não está no ritmo que gostaríamos, mas estamos com investimentos bem maiores que em anos anteriores", disse ao deixar na manhã desta quarta-feira o 5º Encontro Nacional de Dirigentes de Recursos Humanos, em Brasília. Ele disse que se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para fazer um balanço do PAC. Segundo ele, cerca de 90% dos projetos de saneamento e habitação já estão prontos para serem encaminhados. Arrecadação e gastou O ministro afirmou ainda que o fato de a arrecadação das receitas da União estarem registrando resultados acima das expectativas previstas para este ano devem levar a uma revisão para acima nas estimativas de arrecadação para 2008, no âmbito da discussão sobre o orçamento do próximo ano. Ele não mencionou em quanto esta projeção aumentar. Informou apenas que vai tratar do tema com o relator do orçamento, deputado José Pimentel (PT-CE). Ele destacou que o governo economizou cerca de R$ 1 bilhão com compras governamentais feitas em pregões eletrônicos. Segundo ele, essa modalidade foi utilizada apenas 162 vezes, em 2002, enquanto em 2007 já foi acionada 16 mil vezes e deverá chegar a 20 mil até o final do ano. Segundo o ministro esse tipo de procedimento melhora o gasto público e dá um retorno melhor à população sobre o quanto é arrecadado. Em sua apresentação, Bernardo destacou que o governo tem trabalhado para produzir o crescimento sustentado, com inflação baixa. Ele lembrou que o governo Lula assumiu com uma inflação em alta e teve que fazer um esforço fiscal e uma política monetária restritiva para trazer a inflação para baixo, o que, segundo o ministro, produziu resultados que estão sendo colhidos agora. "O que é importante é que muitas pessoas dizem que o governo tem sorte, que o presidente Lula é virado para a lua. Mas será que é só sorte? O que estamos vivendo hoje não é resultado, também, do sacrifício de 2003, 2004 e das escolhas corretas?" ponderou Bernardo, destacando que o governo tenta sempre melhorar. Tanto assim que criou o PAC para ampliar os investimentos em infra-estrutura e também em outras áreas importantes.

Tudo o que sabemos sobre:
PACGastos públicosArrecadação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.