Governo da Índia está interessado em ativos da British Petroleum no Vietnã

País cresce rapidamente e precisa garantir mais oferta de energia, avalia o ministro de Petróleo indiano, Murli Deora

Álvaro Campos, da Agência Estado,

21 de julho de 2010 | 12h59

A Índia está interessada em comprar os ativos da British Petroleum (BP) no Vietnã, disse o ministro de Petróleo indiano, Murli Deora. O país tenta garantir mais oferta de energia para a economia, que cresce rapidamente.

"Nós estamos tentando", afirmou Deora do Vietnã, acrescentando que as estatais indianas vão manter conversas com a estatal PetroVietnam - que é a maior produtora de petróleo e segunda maior produtora de energia do Vietnã - sobre adquirir os ativos da BP. O ministro está no Vietnã para uma reunião de ministros de Energia do Leste da Ásia. O secretário de Petróleo, S. Sundareshan, e os diretores das estatais Oil & Natural Gas Corp. (ONGC), Indian Oil e GAIL India também participam do encontro.

A Índia depende fortemente da importação de petróleo e gás (o país importa 80% do petróleo bruto de que precisa) e a decisão da BP de vender seus ativos para ajudar a pagar pelos prejuízos relacionados ao vazamento no Golfo do México apresenta uma promissora oportunidade de investimento.

A BP anunciou ontem que chegou a um acordo para vender ativos nos EUA, Canadá e Egito para a petroleira norte-americana Apache, por US$ 7 bilhões. A BP disse que também planeja vender seus campos de gás e um oleoduto no Vietnã, além de licenças de explorações no Paquistão.

A agência de notícias Press Trust of India noticiou que o país está querendo a participação da BP no projeto de gás Nam Con Son, no Vietnã. De acordo com o site da BP na internet, o projeto inclui os campos de gás de Lan Tay e Lan Do, no Bloco 06.1, além de um oleoduto e uma termoelétrica a gás. A BP também produz e distribui lubrificantes no Vietnã, e tem um contrato para fornecer petróleo bruto para a Dung Quat, a maior refinaria do país.

A ONGC detém uma participação de 45% no Bloco 06.1 de Nam Con Son, enquanto a BP tem uma fatia de 35% e a PetroVietnam detém 20%. O vice-diretor da PetroVietnam, Nguyen Tien Dung, disse que não conversou com a BP sobre a venda dos ativos da petroleira britânica.

Além disso, uma fonte próxima ao assunto disse hoje que alguns dos ativos de produção de petróleo da BP no Alasca ainda estão à venda, apesar de não terem sido incluídos no pacote vendido para a Apache.

A BP também confirmou que conversa com a China National Offshore Oil Company (CNOOC) sobre a venda de sua participação de 60% na Pan American Energy, que opera principalmente na Argentina, e tem considerado vender ativos no Mar do Norte, no Reino Unido. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.