Governo de SP quer maior participação de fonte renovável

O secretário de Energia do Estado de São Paulo, José Aníbal, revelou nesta quinta-feira que o governo estadual pretende elevar a participação das fontes renováveis na matriz energética paulista do patamar de 55,5%, registrada em 2010, para 69%, em 2020. No mesmo período, a fatia do petróleo e derivados na matriz estadual cairia de 36% para 20%. Esse é um dos pontos que constam no Plano Paulista de Energia 2020, cujo lançamento previsto para esta semana foi postergado.

ANDRÉ MAGNABOSCO, KELLEN MORAES E JOSÉ ROBERTO GOMES, Agencia Estado

27 de junho de 2013 | 16h12

O objetivo ambicioso está alinhado à meta do governo de São Paulo de que a emissão de gases de efeito-estufa em 2020 seja inferior aos números de 2005, com um desconto adicional de 20% sobre os volumes daquele ano. Aníbal, que participou do evento Ethanol Summit 2013, revelou que o governo do Estado se reuniu com representantes do setor elétrico para discutir a participação de novos projetos paulistas no leilão A-5, com entrega de energia prevista para 2018. "Queremos chegar a 25 novos projetos e ocupar mil megawatts com projetos apresentados por São Paulo", destacou, durante a palestra.

Pouco antes da declaração dele, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, revelou que o prazo para apresentação de documentos dos interessados em participar do leilão A-5 foi prorrogado desta quarta-feira, 26, para o dia 8, justamente a pedido de geradores de energia a partir de biomassa. Na palestra, no mesmo painel que Aníbal, Tolmasquim destacou a importância de que os projetos de biomassa tragam maior confiabilidade de oferta de energia. Hoje, ainda é grande o número de projetos que não atendem aos números previstos inicialmente.

Tudo o que sabemos sobre:
EnergiaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.