coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Governo decide mudar processo de BRs e ferrovias

Projetos deixam de ser realizados por uma única empresa, no caso a EBP, e são abertos a todas as empresas interessadas

Lu Aiko Otta e Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2014 | 02h06

 BRASÍLIA - Pressionado por suspeitas de favorecimento a uma empresa privada na elaboração de estudos e projetos que embasaram as concessões de portos, rodovias e aeroportos, o governo decidiu mudar o processo para as ferrovias e também para a segunda etapa das concessões de rodovias. Além disso, vem promovendo entendimentos entre o setor privado e o Tribunal de Contas da União (TCU), para evitar que dúvidas quanto à fiscalização do novo formato atrasem ainda mais o programa.

Os estudos e projetos para as concessões leiloadas no ano passado foram todos elaborados por uma única empresa: a Estruturadora Brasileira de Projetos (EBP), uma sociedade entre bancos públicos e privados que até o ano passado era presidida pelo economista Hélcio Tokeshi, que integrou a equipe de Antônio Palocci no Ministério da Fazenda. Denúncias de que ela teria tido acesso privilegiado a informações do governo na área de portos geraram uma investigação pelo TCU, que ainda será julgada.

Para escapar de novos questionamentos, o Ministério dos Transportes optou por abrir Processos de Manifestação de Interesses (PMIs), no qual as interessadas nas concessões - no caso, majoritariamente, as construtoras - se candidatam a elaborar o projeto. O governo escolhe o projeto, mas não tem o compromisso de contratar a construtora para a obra.

Esse formato já está em vigor para as novas rodovias a serem concedidas. No trecho da BR-163 de Sinop (MT) até o porto fluvial de Miritituba (PA), uma via que é considerada por especialistas como um divisor de águas na logística de exportação brasileira, nada menos do que 20 empresas se candidataram a vender o projeto.

Técnicos do Ministério dos Transportes e do TCU se reuniram com representantes do Sindicato Nacional da Indústria da Construção (Sinicon) para discutir a adoção de processo semelhante para as ferrovias. A projetista Promon também participou da discussão "na condição de consultora do Sinicon", segundo assessores do governo. Procurada, a empresa não comentou.

De acordo com a área técnica, a conversa serviu para delinear um formato de projeto que seja factível pelas empresas e aceitável pelo TCU. A Corte de contas é acusada pelo Executivo de exagerar na exigência de detalhes na hora de auditar uma obra.

Além do formato da PMI, o leilão de ferrovias enfrenta dificuldades mais imediatas. Governo e setor privado ainda não se entenderam quanto ao financiamento das obras e à operacionalização do modelo, que prevê a estatal Valec como compradora e vendedora da capacidade de carga das novas linhas. O ministro dos Transportes, César Borges, já deixou claro que o governo garantirá condições atraentes ao setor privado. Porém, não definiu datas para concluir as negociações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.