finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo decide separar leilão de ferrovias em mais lotes

Um mês após incluir um trecho da Norte-Sul no lote da ferrovia que vai ligar Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO), o governo mudou de ideia e decidiu leiloar cada um separadamente. A decisão foi publicada nesta quinta-feira, 21, em despacho do ministro dos Transportes, César Borges, no Diário Oficial da União.

ANNE WARTH, Agencia Estado

21 de novembro de 2013 | 17h29

A publicação anula um despacho anterior de Borges, de 14 de outubro, em que o ministro aprovava um plano de outorga único, composto pelo lote entre Lucas do Rio Verde e Campinorte e por um trecho da ferrovia Norte-Sul entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), atualmente em construção.

Essa sugestão partiu da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), e foi aceita pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Tanto a empresa quanto o órgão regulador entenderam que oferecer os dois trechos a um mesmo concessionário seria interessante para atrair investidores. A região é um importante polo produtor de soja. Mas o Ministério dos Transportes, a quem cabe definir o plano de outorga, decidiu rever os planos e voltar à ideia inicial de licitar cada trecho de forma separada. Dois fatores influenciaram a decisão.

O Tribunal de Contas da União (TCU) questionou de que forma seria feito o cálculo do custo que a concessionária pagaria ao receber de um trecho de ferrovia já praticamente pronto. O governo decidiu recuar para não atrasar ainda mais o processo. O programa de concessão de ferrovias foi lançado em agosto de 2012 e, até o momento, nenhum lote foi à leilão.

Outro aspecto que foi levado em conta pelo governo foi a possibilidade de atrair mais competidores ao separar cada lote. O trecho entre Lucas do Rio Verde e Campinorte, que terá de ser construído do zero, deve atrair empreiteiras e demandar investimentos da ordem dos bilhões de reais.

Já o trecho entre Palmas e Anápolis, que terá sua construção concluída em um ano e meio, demandará investimentos da ordem de R$ 800 milhões para a implantação de sistemas de sinalização e comunicação. O governo pretende atrair um operador internacional para esse lote.

Pelo mesmo motivo, o governo desistiu de incluir o trecho da Norte-Sul entre Anápolis (GO) e Estrela D''Oeste (SP), atualmente em construção, no lote que ligará Estrela D''Oeste a Dourados (MS). Esse lote, assim como o de Lucas do Rio Verde a Campinorte, devem ser leiloados no primeiro semestre de 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesrodovias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.