Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo demorou, deveria ter agido antes, diz Alckmin

Presidenciável criticou ainda o fato de o governo ter apenas oferecido um congelamento dos preços do diesel por 60 dias: 'Precisa ter uma regra permanente', defendeu

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 13h31

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) criticou nesta segunda-feira, 28, a velocidade de reação do governo do presidente Michel Temer ao lidar com a greve dos caminhoneiros, que chega hoje ao seu oitavo dia.

+ Em grupos do WhatsApp, caminhoneiros pedem intervenção militar

"Acho que o governo demorou, deveria ter agido antes", declarou o presidenciável tucano, que participou esta manhã de uma palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP). "Em São Paulo, o governador Marcio França (PSB) ajudou, na medida em que precisa ter diálogo", acrescentou, ecoando o que o próprio França disse mais cedo , em entrevista à radio 'Eldorado'.

+ + AO VIVO: Siga a cobertura da greve dos caminhoneiros em tempo real

Alckmin criticou ainda o fato de o governo ter apenas oferecido um congelamento dos preços do diesel por 60 dias. "Não pode ter uma solução de 60 dias, precisa ter uma regra permanente", defendeu. O tucano defendeu um reajuste baseado na media de "no mínimo 30 dias" dos preços da commodity e também um "colchão tributário" para absorver choques dos preços e da desvalorização do real.

+ Caminhoneiro é baleado na cabeça durante protesto no ES

"Quando atingir o pico do petróleo, cai o PIS/Cofins. Quando volta a cair, restabelece o imposto e não prejudica tanto a questão fiscal", disse. O que não pode, argumenta, é ter "11 reajustes em 15 dias".

Em entrevista concedida mais cedo ao Bom Dia Brasil, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que o preço do combustível está congelado pelos próximos 30 dias e que, após esse período, os reajustes serão mensais.

O ex-governador também disse ser "inaceitável" aumentar imposto, sem, no entanto, fazer referência direta ao imposto de importação do diesel que está entre as medidas anunciadas pelo governo. "Acho que, por trás desse movimento, tem uma revolta com a questão da carga tributária brasileira". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.