Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Governo deve mandar Reforma da Previdência antes do recesso do Congresso, diz Padilha

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, o presidente Michel Temer ainda ouvirá centrais sindicais e lideranças partidárias antes de enviar a proposta

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2016 | 13h14

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse hoje que o governo deve encaminhar ao Congresso Nacional antes do recesso de fim de ano o projeto de Reforma da Previdência. Segundo o ministro, o presidente Michel Temer ainda deve ouvir as centrais sindicais e lideranças partidárias sobre o tema antes de enviar a proposta. "Se surgir algum ponto que seja importante sofrer algum tipo de revisão, claro que sofrerá. Queremos aprovar a Reforma da Previdência de primeiro", declarou.

Padilha disse que os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão estudando um calendário que viabilize a aprovação da reforma ainda no primeiro semestre de 2017. "Vamos propor o que o mundo está fazendo. Nada diferente do que a média que se faz na América Latina e o que se faz na Europa. Vamos atualizar o Brasil", disse o ministro. Padilha reafirmou que a ideia do governo é aprovar a idade mínima de 65 anos para aposentadoria.

O ministro falou sobre a Reforma da Previdência durante evento na Câmara dos Deputados de lançamento de um livro sobre os 50 anos do PMDB. Em seu discurso, o ministro destacou a harmonia entre as áreas econômica e política e disse que "perde tempo" quem imagina que pode fazer intriga entre os membros do governo. "Temos um rumo só, uma voz só", afirmou.

Padilha disse que o governo reconquistou a confiança do Brasil e do mundo e que tem projeto de geração de emprego e captação de investimentos. "Quando o Brasil quer, o Brasil cresce e o Brasil vai crescer, sim, senhor", discursou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.