Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Governo deve pedir a empresários recursos para preservar Amazônia

Pressionado, Executivo deve admitir que pode e quer melhorar suas ações, mas quer que as críticas virem dinheiro

Julia Lindner, Jussara Soares e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2020 | 05h00

BRASÍLIA - Pressionado por investidores internacionais e empresários brasileiros a apresentar ações efetiva contra o desmatamento, o governo Jair Bolsonaro tentará em reuniões hoje e amanhã, com empresários, rebater as cobranças, propondo que a iniciativa privada invista financeiramente na preservação ambiental. Em outras palavras, o governo vai admitir que pode e quer melhorar suas ações, mas vai sugerir que as críticas sejam trocadas por verba para cuidar de áreas protegidas. Os nomes dos empresários não foram divulgados.

No dia 23 de junho, um grupo formado por quase 30 fundos de investimento com US$ 3,7 trilhões exigiu que o Brasil freie o crescente desmatamento no País. Na terça-feira, dia 7, foi a vez de cerca de 40 empresários brasileiros enviaram carta ao vice-presidente Hamilton Mourão, que comanda o Conselho Nacional da Amazônia Legal, dizendo estar preocupado com a repercussão da imagem negativa do País no exterior.

Ao Estadão, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que “a floresta não está pegando fogo” e que “os pontos de fogo que existem são de locais que foram desmatados, de desmatamento antigo”, principalmente nas áreas de cerrado. Perguntado sobre o decreto que vai “proibir” as queimadas na Amazônia por 120 dias, conforme antecipou o jornal Valor Econômico, Mourão disse apenas que “será nos mesmos moldes feitos no ano passado, com emprego das Forças Armadas", sem dar mais detalhes.

O vice-presidente, que lidera o Conselho da Amazônia, também afirmou que “não sabe” se os investidores estrangeiros vão querer dar dinheiro para financiar as ações da região. O Ministério do Meio Ambiente pretende expor opções para isso.

O projeto “Adote Um Parque”, que está sendo elaborado pelo MMA, propõe que cada empresa ou pessoa física possa ajudar a manter cada uma das 132 unidades de conservação federais na Amazônia. O valor de uma “adoção” foi fixado em 10 euros por hectare. Em troca, pelos termos ainda em discussão, o patrocinador usa a iniciativa como marketing, mas não pode explorar a área. Pelo projeto, o recurso seria aplicado em ações de fiscalização, brigada de incêndio, entre outros.

Encontro

O tema será proposto primeiro para investidores estrangeiros na manhã de hoje, a partir das 10 horas. E na sexta-feira, deverá ser apresentada por Mourão na reunião com empresários brasileiros. Previsto, o encontro ainda não foi confirmado oficialmente.

Em videoconferência com o grupo internacional, integrantes do governo vão se dividir para reforçar o discurso de que possuem o compromisso da preservação ambiental em diferentes esferas. Após apresentações feitas pelos Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura, os empresários poderão fazer perguntas. A lista de participantes não foi divulgada pelo governo, mas participa parte de representantes dos fundos de investimento que enviaram a cara.

De acordo com um integrante do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão será responsável por falar do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro em maio deste ano que autorizou a presença das Forças Armadas na Garantia de Lei e da Ordem (GLO) no combate ao desmatamento ilegal e a focos de incêndio na Amazônia Legal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.