Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Maia recua e diz que governo deveria reduzir alíquota do PIS/Cofins sobre o diesel

Presidente da Câmara havia defendido que governo deveria zerar tributos; nesta quinta, sugeriu redução de R$ 0,46 por litro para R$ 0,29

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 12h55

BRASÍLIA - Depois de perceber que o impacto de zerar o PIS/Cofins sobre o diesel seria maior do que o divulgado por ele mesmo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta quinta-feira em entrevista ao Estadão/Broadcast, que o governo reduza "de imediato" a alíquota dos dois tributos de R$ 0,46 por litro para R$ 0,29. "É o mínimo", disse ele. Até ontem ele defendia uma desoneração completa de PIS/Cofins até o fim do ano, como resposta às paralisações dos caminhoneiros que afetam o abastecimento em todo o País.

+ AO VIVO: Siga a greve dos caminhoneiros pelo Brasil

Essa proposta, que foi incluída no projeto aprovado que aumenta a carga tributária de 28 setores – que passaram a pagar impostos sobre a folha de pagamento – teria um custo de até R$ 10 bilhões, segundo Maia. Ontem, ele tinha anunciado que a frustração de receitas com a medida seria de R$ 3,5 bilhões. "Isso não é o mais importante", insistiu. "No Refis, o governo projetou R$ 3 bilhões de arrecadação e o resultado foi R$ 35 bilhões."

+ Greve de caminhoneiros provoca falta de alimentos e combustível em SP e no Rio

A redução da alíquota de PIS/Cofins é uma medida que pode ser feita por meio de decreto presidencial. Não precisaria esperar a aprovação do projeto no Congresso.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) viajou hoje para o Ceará, seu Estado natal, o que inviabiliza na prática a votação ainda esta semana. Representantes do movimento dos caminhoneiros afirmam que a greve só acabará quando a redução dos impostos for publicada no Diário Oficial da União.

+ Perguntas e respostas sobre a manifestação dos caminhoneiros

Por outro lado, a equipe econômica negociou somente zerar a Cide sobre o diesel. E mesmo assim, a medida ficou condicionada à aprovação do projeto da reoneração da folha de pagamento no Congresso.

Maia rejeitou a avaliação de que teria errado nos cálculos do impacto da benesse aos caminhoneiros. "Fiz aquilo que considero que considero correto para o Brasil", disse o pré-candidato à Presidência, minimizando o fato de ter feito uma previsão de perda de arrecadação muito inferior. "Isso não é o mais importante. O preço na ponta está impossível de pagar. O importante é, inconteste, uma solução para a crise."

+ WHATSAPP: como a paralisação dos caminhoneiros está afetando a sua vida?

Ele lembrou que o governo terá uma arrecadação extra com royalties do petróleo por conta do aumento do preço internacional do produto. Para ele, o governo também conseguirá reduzir despesas com a reoneração da folha de pagamentos de 28 setores. Maia disse que "pro enquanto" não está defendendo a redução do PIS/Cofins para a gasolina. "Mas estou mostrando como aumentaram a arrecadação", disse.

Mais conteúdo sobre:
óleo diesel Caminhão Rodrigo Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.