Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 30/05/2019
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 30/05/2019

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo distribui a parlamentares vídeo contra bagagem gratuita

Ministério do Turismo produziu conteúdo para convencer congressistas a manter veto do presidente Jair Bolsonaro; segundo material distribuído, apenas Coreia do Norte, Venezuela e China têm bagagem gratuita; veja o vídeo

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2019 | 17h57

BRASÍLIA - O Ministério do Turismo produziu um vídeo para convencer parlamentares a manter o veto do presidente Jair Bolsonaro à bagagem gratuita em vôos domésticos.

Em junho, o presidente decidiu vetar o benefício, inserido por emenda parlamentar na medida provisória que abriu o setor aéreo para o capital estrangeiro. O veto deverá ser analisado por deputados e senadores na próxima sessão do Congresso Nacional, ainda sem data para ocorrer.

O vídeo, obtido pelo Estadão/Broadcast, está sendo encaminhado a todos os ministérios como parte do “lobby” do governo para que o veto não seja derrubado. No material, a pasta argumenta que franquia gratuita de bagagem “não existe” e que o custo está embutido no preço da bagagem. “Todos vão pagar. Quer você viaje com malas, ou não”.

Com 1 minuto e 36 segundos, o vídeo inicia com a pergunta: “Por que manter o veto?”. O locutor afirma que não é possível ter passagens aéreas “com preço justo” com apenas três empresas aéreas atuando em um país continental como o Brasil. “O que abaixa preço em qualquer lugar do mundo é concorrência”, continua.

O ministério reforça a necessidade de manter o veto para estimular a entrada de novas empresas no setor e reduzir os preços das passagens.“Retomar a gratuidade é afastar as companhias de baixo custo. Já temos três operando voos para o país. Algumas até sinalizam que não vão investir no país se o veto cair”, completa.

O vídeo alega que apenas três países do mundo têm bagagem gratuita (Coreia do Norte, Venezuela e China) e que países vizinhos como Argentina, Colômbia e Chile, com cerca de um quarto da população do Brasil, têm mais que o dobro de aéreas no mercado interno. “Não entre no discurso fácil de que a derrubada do veto ajuda o cidadão. Sem a chegada de novas aéreas, a conta simplesmente não fecha”, afirma.

O locutor então diz que a mudança está nas mãos do Congresso Nacional. “Manter o veto é fundamental para o turismo, é menos custo, mais destinos atendidos e mais empregos. Queremos um país assim. E você, de que lado está?”, conclui.

Veja abaixo o vídeo distribuído pelo governo:

 

Tudo o que sabemos sobre:
Congresso Nacionalbagagemaviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.