Governo diz que teria sido mais simples "pesificar" tudo

O vice-ministro de Economia da Argentina, Jorge Todesca, admitiu que ?sem dúvida, teria sido mais simples pesificar tudo?, referindo-se não só às dívidas mas aos depósitos em dólares. A tese é defendida pela maioria dos economistas, que considera um erro pesificar as dívidas mas não os depósitos, porque isso ?quebrará ? o sistema financeiro. Todesca ressaltou, no entanto, que o presidente Eduardo Duhalde se comprometeu ?politicamente? com a população a devolver os depósitos na moeda e m que foram feitos. ?O mais fácil de tudo para evitar conflitos era pesificar toda a economia, mas se à raiz disso fosse produzido um tumulto popular e se as intituições se desestabilizassem, a solução econômica não teria fechado com a solução política?,explicou. As declarações do vice-ministro confirmam que o governo de Duhalde tem demorado na resolução das medidas para compor o plano econômico e normalizar o funcionamento do sistema financeiro em função das decisões políticas. ?Como sempre, desde o começo do governo de Fernando De la Rúa, as medidas econômicas necessárias para que a economia começe a caminhar são atenuadas pela questão política?, comentou uma fonte do Ministério de Economia. O governo teme um novo panelaço que desestabilizeDuhalde.Ontem à noite circularam boatos sobre a renúncia do presidente e do ministro. Por isso, hoje, Duhalde disse que começariam a circular boatos desta natureza mas que ele?continuaria firme no cargo?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.