Governo do Japão anuncia segundo pacote econômico

Plano inclui gastos de até US$ 50,8 bilhões para tentar ajudar o país a enfrentar a crise financeira global

REUTERS

30 de outubro de 2008 | 07h14

O primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, anunciou nesta quinta-feira, 30, o segundo pacote econômico do governo japonês em cerca de dois meses. O novo plano inclui gastos de até 5 trilhões de ienes (US$ 50,8 bilhões) para tentar ajudar a segunda maior economia do mundo a enfrentar a crise financeira global.   Veja também: Ações sobem mais de 10% na Ásia após cortes de juro Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Entenda as operações de derivativos e suas conseqüências Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise      Nesta quinta, a Bolsa de Tóquio disparou pelo terceiro dia consecutivo, ajudada por um persistente enfraquecimento do iene contra o euro, que abriu espaço para uma vigorosa procura por pechinchas nas ações do setor exportador. O índice Nikkei 225 saltou 817,86 pontos, ou 9,96% e fechou aos 9.029,76 pontos, o maior ganho de pontuação desde 14 de outubro. O índice subiu pouco mais de 26% nas últimas três sessões, depois de ter mergulhado para o menor nível em 26 anos na última segunda-feira.   Além da valorização do euro, a alta foi estimulada pelo otimismo de alguns operadores quanto à possibilidade de o Banco do Japão (BoJ, banco central japonês) reduzir a taxa básica de juros pela primeira vez em vários anos. A reunião do comitê de política monetária do banco termina na sexta-feira. "Se o banco central cortar as taxas como esperado, o mercado provavelmente vai passar dos 9 mil pontos, disse Hiroyuki Fukunaga, presidente executivo da Investrust. "Se não, podemos ver mais turbulência."   Balanços   Uma série de balanços corporativos, muitos dos quais começaram a aparecer durante a sessão de quarta-feira e no after-hours da quarta, deu a tônica para uma abertura com alta modesta no Nikkei. A Softbank, terceira maior operadora de telefonia celular do Japão, rapidamente chegou à alta limite de 13% depois de anunciar sólidos resultados no segundo trimestre e previsões de crescimento do lucro. A fabricante de jogos eletrônicos Nintendo avançou 10,9% antes de divulgar seu balanço, nesta quinta-feira.   Mas as notícias trazidas pelos balanços não foram totalmente positivas. A Toshiba registrou prejuízo líquido de 26,85 bilhões de ienes no segundo trimestre, contra lucro líquido de 25,03 bilhões de ienes um ano antes, mas os resultados já haviam sido amplamente precificados nas ações, que fecharam com alta de 6,4%.   A Sony, que citou especificamente o enfraquecimento do euro ao divulgar uma espantosa queda de 72% no lucro líquido do segundo trimestre, tinha visto suas ações despencarem para mínimas históricas no começo desta semana. Nesta terça, as ações da Sony fecharam em alta pelo terceiro dia seguido, avançando mais 11,5%   O euro fechou a sessão perto de 130 ienes e o dólar encerrou em 98,5 ienes, mas as cotações se afastaram bastante das mínimas da semana. As ações das montadoras se comportaram bem, com alta de 11,4% na Toyota e 14,2% na Nissan. As informações são da Dow Jones.   (com Hélio Barboza, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEJAPAOPACOTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.