Governo do Japão aprova orçamento recorde para 2009

Investimentos serão centrados em medidas de ajuda a famílias, empresas e províncias afetadas pela crise

Efe,

24 Dezembro 2008 | 06h34

O Escritório do Gabinete do governo japonês aprovou nesta quarta-feira um orçamento estatal recorde de 88,55 trilhões de ienes (US$ 976,812 bilhões) para o ano fiscal 2009, que termina em março de 2010, que inclui medidas contra a crise econômica.   Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Segundo a agência local de notícias Kyodo, o novo orçamento será centrado em medidas de ajuda às famílias, às empresas e a províncias afetadas pela crise financeira mundial.   O governo do primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, vai propor este orçamento para 2009 no Parlamento por volta de 19 de janeiro, dias após apresentar o orçamento adicional para o atual ano fiscal, que termina em março do ano que vem.   O orçamento para o ano fiscal 2009, que começa em 1º de abril, supera em 6,6% o estabelecido inicialmente para 2008. Este aumento é explicado em parte pela maior quantidade de fundos que o governo japonês planeja dedicar ao sistema da previdência nacional, devido ao envelhecimento da população japonesa.   O novo orçamento aumenta ainda em 1,3% os fundos destinados a subvenções e assistência técnica, enquanto a verba oficial da Ajuda Pública ao Desenvolvimento (ADP) será 4% menor que no ano anterior.   Mesmo assim, o governo calcula que o volume total da ADP crescerá 14% em termos anualizados durante todo o ano fiscal 2009, quando forem incluídos os financiamentos especiais e as contribuições a organizações internacionais, segundo a "Kyodo".   A Administração de Aso prevê ainda destinar 333 bilhões de ienes (US$ 3,686 bilhões) para as "áreas prioritárias", entre elas a segurança do trabalho, o bem-estar social, a prevenção de desastres e a revitalização das economias regionais.   A despesa destinada à estabilização do mercado de trabalho crescerá 60% em 2009, para 533,6 bilhões de ienes (US$ 5,905 bilhões), devido aos efeitos da atual crise sobre o emprego.   Diante da atual situação de instabilidade econômica, o orçamento de 2009 estabelece 1 trilhão de ienes (US$ 11,068 bilhões) para reservas especiais de emergência, que se unirão aos 350 bilhões de ienes (US$ 3,874 bilhões) de reservas ordinárias. O total das reservas, que chega a 1,35 trilhão de ienes (US$ 14,941 bilhões), será o maior da história do Japão, segundo o governo.   O novo orçamento contempla também um recorde histórico de despesas gerais de 51,73 trilhões de ienes (US$ 572,562 bilhões), 9,4% maior que o estabelecido no orçamento inicial do ano fiscal 2008.  No entanto, dentro desta verba de despesas gerais, o governo planeja reduzir em 5,2% o investimento em projetos públicos de construção e em 0,1% o gasto em Defesa.

Mais conteúdo sobre:
Crise Financeira Crise nos EUA Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.