Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Governo do Japão não sinaliza mudança no câmbio

O presidente do banco central do Japão (BOJ, na sigla em inglês), Masaaki Shirakawa, e o primeiro-ministro do país, Naoto Kan, conversaram por telefone hoje sobre o possível impacto da valorização do iene na economia japonesa. Mas os dois não abordaram a possibilidade de uma intervenção no mercado de câmbio. As duas autoridades "discutiram os movimentos recentes do mercado de câmbio e as condições econômicas no país e no exterior" e concordaram em "manter estreita comunicação, conforme o necessário", afirmou um porta-voz do BOJ.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

23 de agosto de 2010 | 10h25

Para muitos participantes do mercado, o diálogo sinalizou que o governo japonês está pressionando menos o BOJ do que o esperado. O secretário-chefe do Gabinete japonês, Yoshito Sengoku, também afirmou que o governo pode promover uma reunião direita entre Shirakawa e Kan no futuro. Após a conversa telefônica, as chances de o Comitê de Política Monetária do BOJ realizar uma reunião emergencial nesta semana parecem ter sido reduzidas.

Em dezembro, o banco central promoveu uma reunião similar entre o presidente do BOJ e o então primeiro-ministro Yukio Hatoyama para anunciar um programa de empréstimos de três meses, em meio à pressão para conter a alta do iene. Alguns participantes do mercado ficaram desapontados com as notícias sobre a conversa de hoje. Eles esperavam que Shirakawa e Kan se encontrassem pessoalmente durante a semana para mais discussões sobre a política monetária.

As conversações entre o primeiro-ministro japonês e o presidente do BC se seguiram à recente queda do dólar para a mínima em 15 anos, de 84,72 ienes. O declínio tem alimentado as preocupações de que o fortalecimento da moeda japonesa pode reduzir o vigor do crescimento da economia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbioJapãogovernoBOJintervenção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.