Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Governo do Rio avança em acordo para construção de refinaria

O governo do Rio deu mais um passo para atrair investimentos para a construção de uma refinaria no Estado. Na próxima segunda-feira, a governadora Rosinha Matheus assina protocolo para formação de uma parceria com consórcio formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Kellogg Brown & Root (USA) e Sondotécnica S/A para a realização de estudos para a viabilização da construção da refinaria no norte do Estado. O projeto da refinaria, que levará o nome de Barbosa Lima Sobrinho e será construída no norte do Estado, já possui até mesmo um fundo de investimentos formado com parte dos royalties de petróleo do estado. A previsão é de que dos US$ 2 bilhões necessários para a construção da refinaria, o governo entre com pelo menos US$ 340 milhões a partir deste fundo, que será formado em sete anos. Segundo o secretário de Energia, Indústria naval e Petróleo do Estado do Rio, Wagner Victer, a parceria "dá início efetivo ao processo de estruturação comercial e ambiental do projeto e também dos estudos técnicos de engenharia necessários à construção da refinaria". "A diferença entre o estado do Rio e outros Estados que querem receber os investimentos para uma refinaria, a partir desta parceria, é que aqui haverá um grupo de empresas detentoras de tecnologia na área que já terão estudado amplamente as vantagens de um local sobre o outro, o impacto ambiental entre outros detalhes", disse. O secretário acredita que a parceria é o impulso que faltava para fazer com que a Petrobras entre no negócio. PerspectivasA previsão é de que a refinaria tenha capacidade para processar 200 mil barris de óleo produzidos na Bacia de Campos. "O detalhe do projeto da refinaria é que ela vai ser projetada exclusivamente para processar o óleo pesado da Petrobras em Campos e que hoje é exportado por falta de capacidade para refiná-lo", comentou. Segundo o secretário, a previsão é de que a refinaria gere 30 mil empregos diretos e indiretos para o estado a partir de sua entrada em produção. O estudo deverá ser concluído em 12 meses e o prazo de construção de uma refinaria é estimado entre quatro a cinco anos, o que leva para 2007 o início das operações da unidade, mesma época em que a Petrobras pretende ter atingido sua auto-suficiência.

Agencia Estado,

13 de maio de 2003 | 13h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.