Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Governo do Rio rejeita proposta da Refinaria de Manguinhos

Estado vai prosseguir com os planos de construir moradias em terras hoje pertencentes à empresa 

Danielle Chaves e Daniela Amorim, da Agência Estado,

23 de outubro de 2012 | 10h07

RIO - O Estado do Rio de Janeiro rejeitou uma proposta da Refinaria de Petróleos de Manguinhos e pretende confiscar todas as terras pertencentes à refinaria como parte de um plano de revitalização para a área.

O governo estadual confirmou à agência Dow Jones que vai prosseguir com os planos de limpar a área e construir moradias dentro de um programa de renovação a ser implementado antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. O governo também disse que não está negociando com a refinaria sobre os quase R$ 700 milhões (US$ 346 milhões) em pagamentos de impostos que o Estado diz que a refinaria deve.

Representantes de Manguinhos não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto. Ontem executivos da refinaria se reuniram com o secretário de desenvolvimento do Estado e apresentaram uma proposta para transferir cerca de 20% das terras da empresa para o governo. A proposta permitiria que a refinaria continuasse operando.

A ANP afirmou que está acompanhando o processo de desapropriação da refinaria. A agência fará uma reunião de diretoria amanhã para debater a questão, contou Allan Kardec, diretor da ANP. "A ANP está acompanhando todo esse processo. Já recebemos o decreto por parte do governador Sérgio Cabral. Nós teremos amanhã reunião de diretoria e vamos certamente discutir esse assunto", afirmou Kardec.

O governador do Rio argumenta que o combustível refinado em Manguinhos é de baixa qualidade. Mas a ANP diz que vinha monitorando a qualidade do combustível refinado no local. "Nós fizemos 49 fiscalizações no grupo Manguinhos só nos últimos 22 meses. Foram 2,2 (fiscalizações) por mês. Estamos certamente atentos e os números estão disponíveis para vocês", declarou Kardec, que não comentou os resultados das fiscalizações.As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.