Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Governo do Rio vai parcelar salários de outubro em até sete vezes

Com receitas em queda e desequilíbrio fiscal, Estado não tem dinheiro para quitar seus compromissos; parcelas serão pagas de 16 de novembro a 5 de dezembro

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2016 | 11h32

RIO - O governo do Estado do Rio anunciou que vai dividir em até sete parcelas o pagamento dos salários de outubro de uma parte dos servidores. As parcelas serão pagas de 16 de novembro a 5 de dezembro. A medida foi adotada porque, com receitas em queda e desequilíbrio fiscal, o Estado não tem dinheiro para quitar seus compromissos.

O governo quitou nesta sexta-feira (10) o salário de outubro de todos os servidores ativos da áreas de educação e ativos e inativos da segurança (policiais civis e militares, bombeiros e agentes penitenciários). Para isso gastou R$ 1,28 bilhão. A folha total é de R$ 2,1 bilhões.

O salário dos demais servidores será pago em até sete parcelas, de valores que vão de 200 a R$ 5.000. Segundo o cronograma divulgado na noite desta sexta-feira (12), na próxima quarta-feira (16), o décimo dia útil do mês, será paga uma parcela de aproximadamente R$ 800. Assim, segundo o governo, 74% da folha de pagamento terá sido quitada. No dia 21 será paga outra parcela de aproximadamente R$ 200; em 23 de novembro, mais cerca de R$ 300; no dia 25, aproximadamente R$ 300; no dia 29, aproximadamente R$ 1.200; em 1º de dezembro, aproximadamente R$ 1.000, e finalmente no dia 5 do mês que vem será paga a última parcela, de aproximadamente R$ 5.000. Dessa forma, servidores que ganham menos terão o salário quitado antes.

“Os valores são aproximados porque dependem da receita efetiva de tributos que entrará nos próximos dias nas contas estaduais”, informou o governo, em nota. Esse calendário só será cumprido se não houver novos bloqueios das contas do Estado, também alertou a administração estadual. Apenas na semana que terminou, mais de R$ 300 milhões foram bloqueados das contas do Estado para pagamento de dívidas vencidas.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Economia Crise Econômica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.