seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Governo dos EUA planeja aumentar participação no Citi

O Citigroup está em negociações que podem levar o governo dos Estados Unidos a aumentar a sua participação no banco, disse uma fonte à Reuters nesta segunda-feira. Uma reportagem no Wall Street Journal afirma que Citi e governo discutem um plano no qual o governo converteria um pedaço considerável dos 45 bilhões de dólares em ações preferenciais que comprou no ano passado, aumentando assim a sua participação em cerca de 40 por cento. As ações do Citigroup em Frankfurt operavam em alta. No mês passado, o governo britânico declarou que poderia tomar medida semelhante, convertendo ações preferenciais do Royal Bank of Scotland. O banco deve anunciar nesta semana novas medidas de reestruturação. Enquanto pelo plano que está sendo discutido o governo pode ter cerca de 40 por cento das ações do Citi, o banco espera limitar essa participação em cerca de 25 por cento, segundo o Wall Street Journal. No momento, as ações preferenciais significam uma participação de menos de 8 por cento. "Isso te dá um sentimento de que as preocupações das autoridades vão aumentar, de que problemas da economia dos Estados Unidos têm o potencial de se espalhar pelo mundo," declarou Sailesh Jha, economista do Barclays, em Cingapura. O jornal britânico Financial Times diz que o Citi quer um teto de 40 por cento na participação do governo, ou, pelo menos, um que não chegue a 50 por cento, o que seria visto como nacionalização. O Tesouro norte-americano não quis falar sobre o Citigroup, mas disse que consideraria a conversão de ações para fortalecer as instituições. "Estamos abertos para avaliar pedidos como esse, se a instituição e o regulador acreditarem que isso levará à estabilidade, e se nós acreditarmos que isso resultará em estabilidade para a economia", afirmou o porta-voz do Tesouro Isaac Baker.

SUDI, REUTERS

23 de fevereiro de 2009 | 10h24

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCITIEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.