Governo economiza R$ 5 bi para pagar juro em fevereiro

Superávit primário no mês é três vezes menor que em janeiro, com redução no saldo do Tesouro

Fabio Graner e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

28 de março de 2008 | 14h58

O superávit primário - receitas menos despesas, sem contar o pagamento de juros da dívida - do governo central no mês de fevereiro foi de R$ 5,028 bilhões, contra R$ 15,353 bilhões em janeiro.   Segundo os dados divulgados nesta sexta-feira, 28, a piora no resultado se deve à queda no superávit do Tesouro Nacional, que foi de R$ 7,050 bilhões, enquanto em janeiro o resultado do Tesouro havia sido positivo em R$ 20,505 bilhões. A Previdência Social registrou um déficit em fevereiro de R$ 2,027 bilhões, enquanto o Banco Central teve um pequeno superávit de R$ 5,4 milhões.   No acumulado do primeiro bimestre, o superávit do governo central soma R$ 20,381 bilhões, o que representa 4,59% do PIB. No mesmo período de 2007, o superávit foi de R$ 15,055 bilhões, ou 3,83% do PIB.   Receitas   As receitas totais do governo central no primeiro bimestre de 2008 somaram R$ 114,685 bilhões, um crescimento de 20,35% em relação ao mesmo intervalo de 2007. Apenas em fevereiro, o resultado foi de R$ 50,116 bilhões (+16% ante igual mês de 2007).   As transferências a Estados e municípios atingiram, no acumulado do ano, R$ 21,568 bilhões, com uma alta de 26,67% em relação a 2007. Dessa forma, a receita líquida do Governo Central totalizou nos dois primeiros meses do ano R$ 93,117 bilhões, com uma elevação de 18,98%.   Já as despesas totais do governo central no período alcançaram R$ 72,736 bilhões, com um avanço de 15,07% ante os dois primeiros meses de 2007. Somente em fevereiro, as despesas totais somaram R$ 33,737 bilhões (+9,5% ante fevereiro do ano passado).   As despesas que mais subiram no primeiro bimestre foram de custeio e capital, com elevação de 16,79% ante igual período de 2007. A principal alta ocorreu nas despesas do FAT, com +48,37%. Um dos motivos para esse incremento, segundo a nota do Tesouro Nacional, é o aumento na despesa com benefício do seguro-desemprego, por conta da alta do salário mínimo e do número de trabalhadores beneficiados.   Investimentos   Os gastos com o Projeto Piloto de Investimentos (PPI) no primeiro bimestre de 2008 foram de R$ 651,4 milhões, segundo os dados. O valor representa aumento de 119,6% em relação aos dois primeiros meses de 2007, quando foram gastos R$ 296,6 milhões. Os gastos com PPI podem ser deduzidos da meta de superávit primário.   A meta do superávit para 2008, sem o PPI, é de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB). O Tesouro informou que, em janeiro, os investimentos no PPI somaram R$ 240,4 milhões e, em fevereiro, R$ 411 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.