Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Governo enviará proposta de reforma da Previdência ao Congresso até abril

Texto deve ser submetido ao plenário mesmo que não haja consenso nas discussões sobre o projeto

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2016 | 14h28

BRASÍLIA - O governo federal prometeu encaminhar ao Congresso em 60 dias uma proposta de reforma da Previdência, mesmo que não haja consenso entre os integrantes do fórum formado por trabalhadores, aposentados, governo e empresários, que se reúne nesta quarta-feira, 17. Em reunião com líderes da base governista na Câmara, a presidente Dilma Rousseff também voltou a defender a CPMF, disse que o governo precisa fazer mais cortes, mas que a margem é pequena.

O anúncio do envio da proposta ao Congresso foi feito pelo ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), que participou do encontro com Dilma e os líderes. Os deputados disseram que ela também aceitou a proposta de convocar para reunião deputados ligados ao tema para que deem sugestões.

De acordo com participantes do encontro, a presidente fez um diagnóstico realista da atual situação econômica do País. Segundo um líder, Dilma disse que o governo já fez muitos cortes, há outros que precisam ser feitos, mas que a capacidade de corte está se esgotando.

Os líderes disseram que Dilma argumentou novamente que a recriação da CPMF é importante para resolver a questão fiscal e que o governo está de acordo com o aumento da alíquota para que haja distribuição de recursos também entre Estados e municípios.

Líderes governistas disseram que a presidente se mostrou muito aberta a dialogar, inclusive com a oposição. Segundo relatos dos participantes, Dilma pediu sugestões às bancadas para solucionar as crises. Tranquila, prometeu reunir-se com as bancadas três vezes por semana. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.