Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Governo está diante de um desafio, diz Fernando Pimentel

Para ministro do Desenvolvimento, experiência permite ajustar 'para que outras sejam bem-sucedidas'

LAÍS ALEGRETTI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2013 | 02h13

O primeiro resultado do programa de concessões em infraestrutura mostra que o governo brasileiro "está diante de um desafio", segundo o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. "A experiência dessa primeira oferta é boa porque nos permite ajustar para que outras sejam bem-sucedidas", afirmou o ministro ontem ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Foram colocados em leilão na sexta-feira dois trechos de rodovias que o governo considerava muito atrativos - um deles, entretanto, não teve nem sequer um interessado. Foi o caso da BR-262, que passa pelo Espírito Santo e por Minas Gerais. Por outro lado, a BR-050, entre Minas Gerais e Goiás, recebeu oito propostas. O resultado será conhecido amanhã, com a abertura dos envelopes.

"Preocupação sempre há, porque queremos resultado bem-sucedido", afirmou Pimentel, um dos ministros mais próximos da presidente Dilma Rousseff, ao responder se o resultado causou preocupação.

"Por outro lado, é natural, em um processo de oferta pública dessa dimensão, que você tenha em um primeiro momento algumas ofertas que terão de ser corrigidas", acrescentou. O ministro disse que ajustes são naturais e uma oferta que não tenha recebido propostas em um primeiro momento pode ter participação no futuro.

Política. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ao Estado, na sexta-feira, que podem ter sido políticas as razões para a ausência de interessados na BR-262. "Não faz sentido, a rentabilidade é semelhante entre as rodovias", comentou.

O trecho da BR-262 levado a leilão passa por Estados governados por políticos de partidos que devem concorrer contra a reeleição de Dilma Rousseff em 2014: Espírito Santo, com PSB, e Minas Gerais, com PSDB. Além disso, parlamentares capixabas haviam se posicionado contra a cobrança de pedágios elevados no Estado.

Possível candidato petista ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel afirmou que está nas mãos da presidente a decisão sobre a data em que ele deixará a pasta. "Ela não falou nada comigo. Vamos aguardar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.