Governo está preocupado com a reação do sócio francês

Apesar de o Palácio do Planalto ver com bons olhos a negociação para fusão do Grupo Pão de Açúcar com o Carrefour, há uma grande preocupação com a forma como o negócio está sendo conduzido. O governo teme que o grupo Casino, sócio francês de Abílio Diniz e concorrente direto do Carrefour na França, possa levar o nome do Brasil a uma corte internacional de arbitragem.

Tânia Monteiro / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2011 | 00h00

O governo não quer ver o País numa discussão deste nível. Portanto, para que o negócio receba as bênçãos completas do Planalto, será necessário que Abílio Diniz e o grupo Casino se entendam, vençam todas as polêmicas e que não haja qualquer possibilidade de o assunto ir parar na justiça internacional.

Ontem, Diniz esteve no Planalto, para participar de uma reunião da Câmara de política de gestão, desempenho e competitividade.

No encontro, a possível fusão entre os dois gigantes varejistas não foi tratada, segundo a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e o coordenador do grupo, empresário Jorge Gerdau Johannpeter. Ambos negam ainda que o assunto tenha sido discutido em qualquer outra instância e insistiram que o tema em debate era gestão de áreas do governo. "Foi uma coincidência", disse Gleisi.

Prestígio. Na verdade, a presença de Abílio Diniz no Planalto tem um significado político. Ele tenta demonstrar que, mesmo estando em meio a uma grande negociação comercial, abriu um espaço em sua agenda para vir prestigiar o governo e participar da câmara de gestão.

A ministra Gleisi Hoffmann se recusou a considerar o dinheiro do BNDESPar - o braço financeiro do banco estatal - como dinheiro público. "Não tem dinheiro público, nem do FGTS, nem do Tesouro", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.