Governo estabelecerá ?prioridades das prioridades?, afirma Lula

presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, durante pronunciamento na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que o governo vai estabelecer uma lista mais restrita de prioridades para projetos a serem desenvolvidos no País. Segundo Lula, depois da última reunião ministerial, o governo definiu uma lista de 31 prioridades e, com base nesses projetos, vai estabelecer "as prioridades das prioridades". Para o presidente, esse trabalho é necessário, já que o orçamento não tem condições de abarcar todos os projetos. "Ao invés de colocarmos R$ 10 milhões em cada obra, é melhor colocarmos R$ 100 milhões em uma única e botá-la para funcionar", disse. O presidente também informou aos conselheiros que solicitou ao presidente do Banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa, que dê prioridade máxima ao trabalho de recuperação de uma empresa- cujo nome não revelou- que seja capaz de reativar a ferrovia que liga a cidade de Santos à Bolívia, o que permitirá a ligação do Brasil ao Oceano Pacífico. Segundo o presidente, o projeto de recuperação dessa ferrovia custa apenas R$ 80 milhões. Mas a empresa, que adquiriu o direito de exploração da linha, está endividada e não tem condições de contratar esse crédito. Na avaliação de Lula, a ligação do Brasil ao Oceano Pacífico ajudará não só o transporte de cargas, mas também o transporte de turistas. Restrições ambientais O presidente também disse aos conselheiros que no próximo dia 19 ele fará uma nova reunião com ministros da área de infra-estrutura, mais os presidentes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e o chefe do Ibama, para definir todos os gargalos existentes, com relação ao licenciamento de projetos. Para Lula é fundamental definir esses gargalos e resolvê-los para que licenciamentos ambientais não sejam impeditivos para o desenvolvimento de projetos no País.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 11h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.