Governo estimulará vendas do setor de material de construção

Senadora Ideli Salvatti adianta medidas acertadas entre governo e representantes do setor nesta quarta-feira

Adriana Fernandes, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2009 | 12h17

Após reunião no Ministério da Fazenda, a senadora do PT, Ideli Salvatti (SC), antecipou duas medidas para estimular as vendas do setor de material de construção civil, acertadas por ela, representantes do setor e o secretário de Política Econômica, Nelson Barbosa. A primeira medida prevê a ampliação de uma resolução do Banco Central, que determina que 2% do compulsório sobre depósitos à vista sejam dirigidos a operações de financiamento de microcrédito. A ideia é incluir a aquisição de material de construção pelas pessoas físicas na lista de atividades que podem se beneficiar do microcrédito, o que não ocorre atualmente. Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  "Eles vão incluir isso, vão deixar explícito, para estimular o efeito formiguinha", disse Ideli. Segundo a senadora, essa medida está acertada e a mudança terá impacto importante no setor. "Os 2% do compulsório são muita coisa e o setor vê essa medida com muita importância", disse. Ideli avalia ainda que os juros desses financiamentos vão cair, pois a taxa do microcrédito é inferior à do mercado. A segunda medida, segundo a senadora, vai desburocratizar as exigências que a Caixa Econômica Federal mantém para a concessão do Construcard, que é o financiamento para obras em residências, com juros mais baratos. A senadora explicou que a CEF ampliou de R$ 7 mil para R$ 25 mil o valor do financiamento, mas as exigências bancárias continuaram as mesmas - fiança e avalista . "Ampliou, mas não surtiu o efeito que precisaria e a caixa vai desburocratizar", disse. A senadora antecipou também que a CEF apresentou uma sugestão para que o crédito ofertado para a pessoa física tenha como avalista a loja de construção. "A loja conhece essa clientela, eles funcionam na base do caderninho", disse a senadora, destacando que 70% do cimento produzido no Brasil e 90% da venda de tintas são absorvidos pelo "mercado de formiguinha". Ideli afirmou ainda que, nesta quinta-feira, a equipe econômica levará as medidas ao presidente Lula. Segundo ela, o pacote, que inclui outras medidas para a área de habitação e ampliação do crédito, será anunciado provavelmente na próxima semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraConstrução Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.