R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Governo estuda criação do ''Simples Rural''

É o primeiro passo para o processo de formalização da atividade agrícola; carga tributária, hoje em 16,9%, deve ser reduzida

Fabíola Salvador, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

Governo e iniciativa privada devem finalizar em até 90 dias uma proposta para aumentar a formalização da atividade agrícola, primeira etapa de um processo de modernização da atividade que só deve ser concluído no longo prazo. O primeiro passo será a criação de um "Simples Rural", sistema de tributação diferenciado que tem como base o modelo adotado para as micro e pequenas empresas urbanas. O governo avalia que a formalização dará maior transparência à contabilidade dos produtores e permitirá a redução dos custos de produção, um dos grandes entraves para o desenvolvimento do agronegócio no País. A informalidade no campo varia entre 30% e 70 %, dependendo da atividade. O "Simples Rural" deve proporcionar a redução da carga tributária, que hoje é de 16,9% para o setor de alimentos - contrapartida exigida pelos produtores para a adesão ao processo de formalização. Além disso, a transparência contábil vai diminuir os riscos calculados pelos bancos e por outros financiadores da atividade agrícola, como as empresas de comercialização (tradings), nos empréstimos para o setor rural. "O produtor não tem balanço contábil, o que eleva de forma expressiva o risco e os custos da atividade", lembra a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (DEM-TO), que também discute com o governo uma reformulação de todo o modelo de financiamento rural.Katia Abreu acredita que a decisão do governo de participar das discussões facilita o encaminhamento jurídico para colocar as modificações em prática. "Antes, quando a proposta era só da iniciativa privada, era entregar para o governo e acender uma vela", disse. Ela contou que apresentou uma versão preliminar da proposta a vários integrantes do governo, inclusive ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Ele disse que ainda tem dois anos mandato e o governo pode deixar esse assunto pelo menos encaminhado." A CNA, no entanto, espera que o Simples Rural possa ser concluído ainda neste ano.Outra das ideias em discussão é formar uma espécie de cadastro positivo e uma central de financiamentos, a partir da qual os financiadores terão acesso aos dados de cada produtor, incluindo informações sobre outros financiamentos já liberados e sobre a capacidade de pagamento.A senadora acredita que 80% dos cerca de 3,5 milhões de proprietários rurais terão interesse em aderir à proposta de formalização, pois o produtor é a primeira vítima do modelo que tem como base a informalidade. "Um pecuarista que vende 500 animais para um frigorífico e que formaliza a venda de 200 vai ficar com prejuízo no banco porque não pode comprovar a venda de todo o lote. A saúde financeira dele fica comprometida pela sonegação", explicou. Além disso, ela lembra que a reforma agrária é outro fantasma que assombra quem não tem as contas na ponta do lápis, já que os índices de produtividade das fazendas são considerados no processo de desapropriação de terras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.