Governo estuda medidas para setor automotivo, diz Marinho

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, disse nesta quarta-feira que o governo pode adotar medidas de caráter temporário para atenuar o efeito da taxa de câmbio valorizada sobre as exportações do setor automotivo. Segundo ele, esta e outras medidas estão em estudo e estarão na pauta de discussões em reunião que ele terá com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Uma dessas medidas, segundo Marinho, é a ampliação do limite de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) para as exportações do setor. Ele lembrou que hoje esses financiamentos não podem ser superiores a 30% das exportações. "É possível elevar esse porcentual para 40% a 50%", disse Marinho. O ministro disse entender que uma mudança como essa ajudaria o próprio BNDES a conseguir alocar os recursos disponíveis para esse tipo de operação. Sobre a questão do câmbio, Marinho foi enfático em afirmar que não há muito espaço para resolver essa questão no curto prazo. Para Marinho, a tendência do câmbio é se estabilizar à medida em que a taxa de juros for caindo. Ele, entretanto, defendeu que o Banco Central discuta uma possibilidade de acelerar o processo de queda dos juros. VarigQuanto à Varig, Marinho disse esperar que o processo de reestruturação seja capaz de preservar o maior número de empregos possível. Apesar disso, afirmou que o governo poderá adotar algum plano de qualificação para os servidores da companhia que venham a perder os seus empregos, no processo de reestruturação da empresa. Ele também comentou que é desejo do governo e de toda a sociedade brasileira que a Varig seja salva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.