Governo estuda redução de impostos para agricultura

O governo estuda desonerar alguns negócios na agricultura com o objetivo de melhorar a rentabilidade do produtor rural. Nesta segunda-feira, o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, confirmou que a Medida Provisória para o setor agrícola, a"MP do Bem", estudada pelo governo federal, prevê esta desoneração tributária. Segundo ele, o setor "vive os piores momentos dos últimos 30 ou 40 anos". Ele explicou ainda que este processo é avaliado em conjunto com o Ministério da Fazenda. O principal ponto discutido é o impacto negativo que a redução nos impostos terá sobre a arrecadação do País, e positivos sobre o financiamento da atividade rural. "Às vezes você perde de um lado, mas ganha do outro; o que precisa ser estudado é a média que sirva melhor à sociedade brasileira", ponderou o ministro, que participou do lançamento de quatro novas variedades de cana-de-açúcar no campus de Araras (SP) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Rodrigues admitiu ainda que a prorrogação das dívidas de custeio da última safra por 60 dias foi uma medida para que o governo pudesse ter um prazo de tempo um pouco maior e pudesse incluí-las dentro do pacote de MP do Bem da Agricultura. O período de prorrogação é mais do que suficiente para que o pacote seja apresentado, já que Rodrigues prevê o anúncio para, no máximo, o final de abril.SafraA situação crítica da agricultura pode ser vista em números. O governo já prevê uma queda na produção de grãos da safra 2005/06 - de 1,5% ou 1,8 milhão de toneladas em relação ao terceiro levantamento, divulgado em fevereiro pela Conab. O total deve chegar a 122,6 milhões de toneladas. No ano passado, a produção agrícola foi de 113,9 milhões de toneladas.Contudo, apesar da redução, o resultado atual permanece dentro do intervalo estabelecido pela Conab no primeiro levantamento desta safra, realizado em outubro de 2005, e que indicou uma produção de 121,5 milhões de toneladas a 124,9 milhões de toneladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.