Governo inaugura primeiro centro de distribuição no exterior

A Agência de Promoção de Exportações inaugura hoje seu primeiro centro de distribuição de produtos brasileiros no exterior. A nova estrutura, implantada na cidade de Miami, nos Estados Unidos, oferece espaço para armazenamento de mercadorias, além de um local destinado à realização de rodadas de negócios, showroom e escritórios.A cerimônia de inauguração conta com a presença do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan. Recentemente, Furlan explicou que o centro de distribuição de Miami é um dos exemplos de medidas que podem ser conduzidas pelo governo federal para compensar exportadores pela forte desvalorização do dólar frente ao real. Além disso, a estratégia deve ajudar empresas brasileiras a darem um primeiro passo para a abertura de filiais no exterior, de acordo com a Apex.Para implantar o centro de distribuição, a agência escolheu a Miami Free Zone, que oferece facilidades operacionais à entrada de produtos na América do Norte. Essa escolha deve assegurar aos exportadores vantagens como a maior agilidade no desembaraço de mercadorias e a economia de escala gerada pela concentração de diversas empresas em um único local, segundo o presidente da Apex, Juan Quirós. Os representantes de empresas que se instalarem no centro de distribuição terão suporte operacional e administrativo concedido pela própria agência.Serão abrigados pelo novo centro setores de produto como confecções, chocolates, balas e confeitos, calçados, cosméticos, café, rochas ornamentais, cerâmicas para revestimento e instrumentos musicais. Será dada prioridade para empresas de pequeno e médio porte que já possuem uma cultura exportadora, mas algumas grandes marcas serão integradas para auxiliar na consolidação do centro. A idéia é beneficiar produtos não-perecíveis ou cuja perenidade não seja de curto prazo. Produtos perecíveis, que exigem acondicionamento especial, commodities e produtos a granel não poderão integrar o projeto.De acordo com a Apex, o governo federal pretende instalar outros centros como esse em locais estratégicos no exterior, como parte da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. O próximo será implantado em Frankfurt, na Alemanha, até o final deste ano. Para 2006, está prevista a construção de unidades nos Emirados Árabes, China, Polônia e África do Sul.Mercado forteA escolha inicial pelos Estados Unidos se explica principalmente pela amplitude do consumo de produtos brasileiros naquele país. No ano passado, as exportações brasileiras para esse mercado totalizaram US$ 20,038 bilhões, o que equivale a 20% do total das vendas externas do País. Nos dois primeiros meses deste ano, as vendas para os Estados já avançaram 42,2% em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando US$ 3,372 bilhões. Para o Estado da Florida, em especial, foram vendidos US$ 4,46 bilhões em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.