Governo intervém e dólar sobe

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Afonso Bevilacqua, anunciou hoje que o Tesouro Nacional comprará dólares no mercado para pagar a dívida externa do período de dezembro de 2004 a junho de 2005. Segundo ele, o Tesouro comprará US$ 2,432 bilhões - US$ 566 milhões já foram adquiridos.Imediatamente após o anúncio, o dólar, que estava em baixa, passou a operar em alta de 0,47%, cotado a R$ 2,757. O C-Bond, principal título do Brasil no exterior, era negociado a 100,625 centavos de dólar. A bolsa avançava 0,66%. centavos de dólar, com alta de 0,24%.Intervenção x recomposiçãoO diretor do Banco Central fez questão de esclarecer várias vezes que a medida não significa uma intervenção do governo na taxa de câmbio. "Intervenção é uma medida pontual para tentar determinar um nível da taxa de câmbio. Aqui, o processo é de médio prazo, sem a preocupação de tentar determinar algum nível de taxa de câmbio", afirmou. Na opinião dele, se alguma pessoa achar que esta medida é uma intervenção no câmbio, "está totalmente enganada e não sabe a diferença entre intervenção e recomposição de reservas". Segundo o diretor, a compra de dólares não significa também uma mudança na política de recomposição de reservas pelo BC e pagamento de parte dos vencimentos da dívida externa pelo Tesouro. "A alteração anunciada aqui é na margem do sistema", afirmou. Segundo o diretor, o BC atuará no mercado sempre que achar condições razoáveis, evitando causar efeitos na liquidez do mercado ou na cotação da taxa de câmbio. "Como tem dito o presidente Henrique Meirelles, o BC não tem uma meta de câmbio mas sim uma meta de inflação", disse. Dívida velhaOs recursos que forem adquiridos pelo Tesouro no mercado serão utilizados para o pagamento de principal e juros nos vencimentos de dívida externa relacionados ao Clube de Paris e à chamada dívida velha, que é composta por bradies, os títulos da dívida brasileira lastreados nos papéis do Tesouro norte-americano.Segundo Bevilacqua, a decisão de anunciar essa alteração na contratação de dólares pelo Tesouro foi feita com base nas boas perspectivas para o balanço de pagamento brasileiro. "O que temos visto nos últimos trimestres é uma melhora contínua dos resultados correntes do balanço de pagamento e perspectivas cada vez mais favoráveis para os próximos meses", afirmou.Mais reservasA decisão de ampliar a compra de dólares pelo Tesouro Nacional alterou as projeções de reservas do BC para os anos de 2004 e 2005. Segundo o diretor de política econômica do Banco Central, a projeção para o fechamento das reservas brutas em 2004 passou de US$ 47,250 bilhões para US$ 48,704 bilhões. As reservas líquidas, pelo conceito do FMI, passam de uma projeção de US$ 21,744 bilhões para US$ 22,446 bilhões.Para 2005, a projeção de reservas brutas foi alterada de US$ 36,588 bilhões para US$ 40,294 bilhões e, no caso de reservas líquidas, de US$ 18,415 bilhões para US$ 21,469 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.