Governo intima usineiros a explicar aumento no álcool

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse na noite desta terça-feira, após reunião com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, que os empresários do setor sucroalcooleiro serão convocados para explicar "o que está acontecendo com os preços do álcool que estão subindo". Ele descartou que o setor será chamado para levar outro puxão de orelhas do governo, como aconteceu no início do governo Lula. "Na negociação inicial, havia um acordo de que o álcool não deveria sair das usinas a preços superiores a R$ 1 por litro. Os preços não chegaram nesse nível. Esse é o patamar limite que o governo aceita", afirmou.Na reunião com Palocci, ficou definido que os R$ 500 milhões para estocagem de álcool "sairão em dois dias". "A conversa foi que os recursos serão liberados ainda nesta semana. Não sei se chegarão aos bancos (nesse prazo). Os recursos para estocagem estavam presos mas agora sairão", afirmou. As regras de estocagem não serão alteradas. Dos R$ 500 milhões, R$ 430 milhões serão destinados ao Centro-Sul e o restante para o Nordeste. Os preços de referência são de R$ 0,45 por litro para o hidratado e R$ 0,55 por litro para o anidro. Os juros do financiamento são de 11,5% ao ano. A produção de álcool na safra 2003/04 está estimada em 14,1 bilhões de litros. O governo calcula que será possível estocar 1 bilhão de litros de álcool com os R$ 500 milhões. O ministro da Agricultura convenceu o colega da Fazenda a reduzir de quatro para duas as datas de liberação de recursos do Moderfrota. O primeiro limite de liberação de recursos para o programa de renovação de máquinas e equipamentos agrícolas será de janeiro de 2004, com liberação de R$ 1,050 bilhão. O restante será liberado até junho de 2004, totalizando R$ 2 bilhões, montante previsto no Plano Agrícola e Pecuário 2003/04 para o Modefrota. "A mudança ajuda o fluxo de recursos para a área de máquinas e equipamentos agrícolas", afirmou Rodrigues.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.